Correio do Povo | Notícias | ONU comemora abertura da fronteira para venezuelanos

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

  • 08/08/2018
  • 08:54
  • Atualização: 09:31

ONU comemora abertura da fronteira para venezuelanos

Mais de 200 pessoas não puderam finalizar o ingresso em território brasileiro

Brasil reúne mais de 32,7 mil solicitantes de pedidos de refúgio | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

Brasil reúne mais de 32,7 mil solicitantes de pedidos de refúgio | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Organização das Nações Unidas (ONU), por meio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur),  comemorou a abertura da fronteira brasileira para a entrada de imigrantes venezuelanos. Em nota, divulgada no site da entidade, informa que "assustado com a imigração massiva", o estado de Roraima  fechou o território para os vizinhos. O porta-voz do Acnur, William Spindler, elogiou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de determinar a abertura da fronteira para os venezuelanos. "O Acnur celebra a decisão do Supremo", disse. Em Genebra, Spindler afirmou que os venezuelanos chegam ao Brasil em busca de segurança.

Mais de 200 venezuelanos não puderam finalizar o ingresso em território brasileiro, segundo o porta-voz, em decorrência do impasse envolvendo a fronteira na região de Roraima. De acordo com Acnur, o Brasil reúne mais de 32,7 mil solicitantes de pedidos de refúgio, enquanto 25 mil já obtiveram autorização para permanência legal no país.

• AGU recorre ao TRF1 contra fechamento de fronteira com a Venezuela

Indígenas

O porta-voz ressaltou que boa parte dos venezuelanos é formada por indígenas, que estão em situação vulnerável devido à falta de alimentos e condições de sobrevivência. Spindler citou o exemplo do líder comunitário de Warao, Eligio Tejerina, de 33 anos, cujo filho caçula está com pneumonia. O indígena tem cinco filhos e disse que todos estavam passando fome na Venezuela. "Decidimos vir para o Brasil porque nossos filhos estavam esfomeados", afirmou. "Eles choravam de fome porque só tinham uma pequena porção de comida".