Correio do Povo | Notícias | Em nota, governo brasileiro lamenta morte de Kofi Annan

Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 18/08/2018
  • 15:07
  • Atualização: 15:09

Em nota, governo brasileiro lamenta morte de Kofi Annan

Documento fala em "amigo do Brasil" e "um dos maiores defensores do multilateralismo"

Governo brasileiro lamenta morte de Kofi Annan | Foto: Odd Andersen / AFP / CP

Governo brasileiro lamenta morte de Kofi Annan | Foto: Odd Andersen / AFP / CP

  • Comentários
  • AE

Em nota divulgada neste sábado pelo Ministério das Relações Exteriores, o governo brasileiro lamentou a morte do ex-secretário geral das Nações Unidas Kofi Annan, um "amigo do Brasil" e "um dos maiores defensores do multilateralismo". Na nota, o Itamaraty lembra que Kofi Annan foi o primeiro secretário-geral da ONU com origem na África subsaariana, e também o primeiro funcionário de carreira do organismo a chegar ao posto mais alto da instituição.

Seu período à frente do secretariado, de 1997 a 2006, foi marcado por ações destinadas a reformar e revitalizar o organismo. Ele também deu destaque às agendas de direitos humanos e promoção da paz. "Annan atuou com admirável habilidade diplomática como mediador de crises internacionais e formulador de uma visão de futuro sintonizada com os desafios do século XXI", diz a nota. "Soube equilibrar os atributos de independência da ONU com o desafio de conciliar os interesses de seus estados membros."

Um fato marcante ocorreu em 2005, quando mais de 170 chefes de estado e governo se reuniram na Cúpula Mundial, na qual "reafirmaram seu compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, lançaram as bases para a criação da Comissão de Consolidação da Paz e do Conselho de Direitos Humanos, e sublinharam a necessidade de reformar o quanto antes o Conselho de Segurança."

O ex-secretário geral esteve diversas vezes no Brasil. Ele tinha entre seus mais próximos colaboradores o diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto em 2003 num atentado à sede da ONU em Bagdá. "Sua reconhecida autoridade moral o levou a continuar a atuar em favor de um mundo mais pacífico e justo até os últimos dias", diz a nota, ao expressar solidariedade à família de Annan e à ONU e seus funcionários.


TAGS » ONU, Internacional