Correio do Povo | Notícias | França se disponibiliza para ajudar na restauração do Museu Nacional

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

  • 04/09/2018
  • 07:20
  • Atualização: 18:39

França se disponibiliza para ajudar na restauração do Museu Nacional

Ministro das Relações Exteriores considerou local como uma das joias do Brasil

Museu contava com acervo de mais de 20 milhões de peças | Foto: Mauro Pimentel / AFP / CP

Museu contava com acervo de mais de 20 milhões de peças | Foto: Mauro Pimentel / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

A França anunciou que está disposta a contribuir para a restauração do Museu Nacional do Rio de Janeiro, destruído no domingo por um incêndio. "No momento em que todo o Brasil está comovido, a França está disposta a ajudar a restaurar o Museu Nacional", afirmou o ministro das Relações Exteriores Jean-Yves Le Drian em um discurso no museu do Louvre Abu Dhabi, inaugurado em 2017.

• Após incêndio no Rio, governo do RS avalia situação dos museus gaúchos

"Eu desejo fazer um preâmbulo para expressar a solidariedade das autoridades francesas ante o trágico incêndio que devastou no domingo outro lugar cultural de exceção", disse. "O Museu Nacional do Rio de Janeiro é uma das joias do Brasil. Abrigava coleções de paleontologia, artefatos greco-romanos, uma coleção egípcia e o fóssil humano mais antigo descoberto no Brasil", recordou o ministro francês. "Como o Louvre, este é um símbolo de diálogo das culturas. Com as chamas, desapareceu uma parte da memória da humanidade".

• UFRJ tem histórico de incêndios nos últimos anos

Criado em 1818 por Dom João VI e instalado desde 1892 no antigo palácio imperial de São Cristóvão, o Museu Nacional era o maior museu natural e antropológico da América do Sul, com mais de 20 milhões de peças e uma biblioteca de mais de 530 mil títulos. A vice-diretora do museu, Cristiana Serejo, explicou que por trás da tragédia estão "a falta de dinheiro e uma burocracia muito grande".

• MEC vai liberar R$ 10 milhões para ação emergencial no Museu Nacional

O museu era particularmente conhecido por seu rico departamento de paleontologia, com mais de 26 mil fósseis, incluindo o esqueleto de um dinossauro descoberto em Minas Gerais e inúmeros espécimes de espécies extintas, como preguiças gigantes e tigres dentes-de-sabre. Sua coleção de antropologia biológica incluía o mais antigo fóssil humano descoberto no Brasil, conhecido como "Luzia", que também foi perdido no fogo.