Correio do Povo | Notícias | Aeroporto de Miami fecha terminal por paralisia oçamentária do governo

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sábado, 19 de Janeiro de 2019

  • 11/01/2019
  • 14:19
  • Atualização: 14:30

Aeroporto de Miami fecha terminal por paralisia oçamentária do governo

Cerca de 800 mil funcionários federais dos Estados Unidos estão sem receber devido ao "shutdown"

Terminal G, que atende a United, Frontier, Eastern Airlines e Aruba Airlines, entre outras, estará fechado pela manhã e reabrirá às 13h00min  | Foto: Divulgação / Miami Internacional Airport / CP

Terminal G, que atende a United, Frontier, Eastern Airlines e Aruba Airlines, entre outras, estará fechado pela manhã e reabrirá às 13h00min | Foto: Divulgação / Miami Internacional Airport / CP

  • Comentários
  • AFP

Um terminal do Aeroporto Internacional de Miami ficará fechado de sábado a segunda-feira para compensar a ausência de alguns trabalhadores da Administração de Segurança dos Transportes (TSA), devido à paralisia parcial do governo dos Estados Unidos. "Os voos programados para sair do Terminal G neste sábado, domingo e segunda-feira serão transferidos para o Terminal F ou Terminal H", confirmou o porta-voz do aeroporto, Greg Chin. O terminal G, que atende a United, Frontier, Eastern Airlines e Aruba Airlines, entre outras, estará fechado pela manhã e reabrirá às 13h00min todos os dias.

• Trump chega ao Texas para defender muro na fronteira mexicana

Os trabalhadores da TSA que realizam controles de segurança são considerados "essenciais", portanto devem trabalhar sem remuneração. No entanto, conforme relatado pelo Miami Herald, esses funcionários federais estão faltando por motivo de doença a uma taxa de mais que o dobro do normal no aeroporto de Miami. O fechamento do terminal permite o envio de funcionários da TSA que estão trabalhando nos postos de controle mais movimentados, segundo o jornal, que cita o porta-voz.

O fechamento parcial do governo americano, que começou em 22 de dezembro, gira em torno da disputa orçamentária entre o presidente Donald Trump e o Congresso, sobre a alocação de 5,7 bilhões de dólares para construir um muro na fronteira com o México. Como resultado, as funções consideradas não essenciais do governo federal estão paralisadas.