Correio do Povo | Notícias | Reação de governadores visa "buscar resultados eleitorais", afirma Marun

Porto Alegre

16ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de Julho de 2018

  • 28/12/2017
  • 13:16
  • Atualização: 13:21

Reação de governadores visa "buscar resultados eleitorais", afirma Marun

Chefes do Executivo protestaram contra a declaração do ministro

Marun admitiu que o Palácio do Planalto pressiona os governadores a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência | Foto: Fabio Rodrigues Pozzobom / Agência Brasil / CP

Marun admitiu que o Palácio do Planalto pressiona os governadores a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência | Foto: Fabio Rodrigues Pozzobom / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, divulgou nota nesta quinta-feira, 28, numa espécie de "tréplica" com os governadores, que reagiram à sua recente declaração. "A reação daqueles que querem continuar omitindo a participação do Governo Federal nas ações resultantes de financiamentos obtidos junto aos bancos públicos só se justifica pela intenção de buscar resultados eleitorais exclusivamente para si", escreveu o ministro. "Estes defendem a equivocada tese de que quem recebe financiamentos pratica ações de Governo e que quem os concede, não".

Sete dos nove governadores do Nordeste enviaram nesta quarta-feira, 27, carta aberta ao presidente Michel Temer protestando contra a declaração do ministro - que admitiu que o governo pressiona gestores estaduais e municipais a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência, em troca da liberação de recursos em financiamentos de bancos públicos, como a Caixa. No documento, os governadores prometem acionar política e judicialmente os agentes públicos envolvidos, caso a "ameaça" de Marun se confirme.

Marun diz que assistiu à entrevista que concedeu no início da semana e que sua fala não teria sido bem interpretada. "Assisti a citada entrevista e desafio qualquer um a destacar o trecho em que afirmo que os financiamentos estão condicionados ao apoio à reforma da Previdência", disse.

"Afirmei, como reafirmo, que espero que todos os agentes públicos tenham a responsabilidade de contribuir neste momento histórico da vida da Nação. E afirmei, como reafirmo, que vou dialogar de forma especial com aqueles que estão sendo beneficiados por ações do governo, pleiteando o seu envolvimento no esforço que estamos fazendo para realizar as reformas que o Brasil necessita", completou.

Em entrevista na terça-feira, dia 26, Marun admitiu que o Palácio do Planalto pressiona os governadores a trabalharem a favor da aprovação da reforma da Previdência em troca da liberação de recursos em financiamentos de bancos públicos. "Realmente, o governo espera daqueles governadores que têm recursos a serem liberados, financiamentos a serem liberados, como de resto de todos os agentes públicos, reciprocidade no que tange à questão da (reforma da) Previdência", disse o ministro.

Na ocasião, Marun negou, contudo, que a negociação se configura como "chantagem". "Financiamentos da Caixa são ações de governo. Senão, o governador poderia tomar esse financiamento no Bradesco, não sei onde. Obviamente, se são na Caixa, no Banco do Brasil, no BNDES, são ações de governo, e nesse sentido entendemos que deve, sim, ser discutida com esses governantes alguma reciprocidade no sentido de que seja aprovada a reforma da Previdência, que é uma questão que entendemos hoje ser de vida ou morte para o Brasil", justificou.

Na nota desta quinta-feira, o ministro afirmou que a conduta governamental "sempre foi de prestígio ao princípio federativo, ou seja, apoio aos Estados e municípios". "Foi a partir daí que repactuamos a dívida dos Estados, dando fôlego financeiro e de igual maneira fizemos com os municípios. Também a estes não só parcelamos o débito previdenciário, que eles tinham no ano passado, como partilhamos a multa no processo de repatriação de divisas", destacou. "O Brasil avança. Nossa economia reage. Nada me afastará do objetivo de fazer com que o País não retroceda", conclui o ministro no texto.