Correio do Povo | Notícias | Governo não tem votos hoje para aprovar a reforma da Previdência, diz Marun

Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de Maio de 2018

  • 01/02/2018
  • 12:02
  • Atualização: 12:07

Governo não tem votos hoje para aprovar a reforma da Previdência, diz Marun

Ministro afirmou que muitos políticos estão negando necessidade da reforma por demagogia

Ministro afirmou que muitos políticos estão negando necessidade da reforma por demagogia | Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados / CP

Ministro afirmou que muitos políticos estão negando necessidade da reforma por demagogia | Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados / CP

  • Comentários
  • AE

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta quinta-feira para empresários da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) que a "má notícia" é que o governo ainda não tem votos suficientes para aprovar a reforma da Previdência. Ressaltou, porém, que o presidente da República, Michel Temer, continua "obstinadamente envolvido nesse processo".

Marun chamou a atenção para necessidade urgente de a sociedade ser informada sobre os prejuízos que o País terá se não aprovar a reforma, "porque o dinheiro não chove, vai sair da Educação, da Saúde, da Segurança, se não aprovar a reforma". Segundo ele, muitos políticos estão negando a necessidade da reforma por demagogia, "por medo de não se reeleger". "Muita gente vai se eleger mentindo", disse o ministro aos empresários e políticos reunidos na Firjan.

Chamamentos em jornais

Ele convocou que os empresários publiquem nos jornais chamamentos para que os parlamentares votem a favor da reforma. "Estamos a 20 dias de uma decisão importantíssima do Brasil e precisamos nesses dias de esforço redobrado para os parlamentares do partido da base, porque o outro lado oposição não adianta", afirmou. Para reforçar o pedido, Marun finalizou o discurso afirmando que "o Brasil está inviabilizado se não houver a reforma da Previdência", dizendo querer o engajamento dos "setores lúcidos da sociedade".