Correio do Povo | Notícias | Corpos de três crianças são levados de cemitério de Esteio

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

  • 12/03/2015
  • 16:37
  • Atualização: 20:31

Corpos de três crianças são levados de cemitério de Esteio

Polícia acredita que o furto dos cadáveres tenha envolvimento com algum ritual de magia negra

  • Comentários
  • Hygino Vasconcellos

A Polícia Civil de Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre, investiga a violação do túmulo de três crianças no Cemitério Municipal 2 de Novembro, no bairro Vila Olímpica. As sepulturas estavam em gavetas - sem contato com a terra - em uma ala infantil e após a parede ser quebrada, os três cadáveres foram levados. Os corpos são de três meninos - entre eles está uma criança que morreu durante o parto e foi enterrado em novembro de 2014. O segundo corpo foi sepultado em dezembro de 2013 e morreu poucos dias após o parto, enquanto que o terceiro, que na época do sepultamento tinha 9 anos, foi enterrado em janeiro deste ano.

O titular da delegacia de polícia, Leonel Baldasso, acredita que o arrombamento tenha ocorrido entre a noite de segunda-feira e a madrugada de terça-feira, mas a situação só foi constatada na tarde de terça-feira por funcionários do cemitério.

O policial acredita que o furto dos cadáveres tenha envolvimento com algum ritual de magia negra. Na próxima semana, Baldasso deve ouvir os familiares das crianças que estavam nos túmulos. Ele disse ter ficado surpreso com o sumiço. “Nunca tinha visto o furto de cadáveres de crianças em Esteio. Violações de sepulturas já tinham ocorrido, mas isso não.”

Após a situação, o secretário de Obras de Esteio, José Luiz da Silva, anunciou que deve ocorrer um reforço na iluminação na área externa do cemitério. Além disso, a câmera que fica na área central do local deve ir para o conserto e, com isso, o monitoramento do espaço deve ser retomado pela Guarda Municipal.

Silva destacou que o cemitério possui vigilantes, mas que no momento da invasão não teriam visualizado a ação. O secretário justifica que as gavetas ficam em uma área afastada do prédio principal, “meio escondida”. Conforme estimativa de Silva, há pelo menos dois anos não ocorre situação violação de túmulos no espaço.

Duas famílias foram comunicadas do fato nesta quinta-feira, mas a terceira não foi localizada pela prefeitura.