Correio do Povo | Notícias | Polícia encontra cemitério clandestino na zona Leste de Porto Alegre

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 23 de Setembro de 2018

  • 17/11/2016
  • 16:36
  • Atualização: 17:51

Polícia encontra cemitério clandestino na zona Leste de Porto Alegre

Cão farejador localizou seis pontos com corpos enterrados

Polícia encontra cemitério clandestino na zona Leste de Porto Alegre | Foto: Ricardo Giusti

Polícia encontra cemitério clandestino na zona Leste de Porto Alegre | Foto: Ricardo Giusti

  • Comentários
  • Jessica Hübler

A Brigada Militar recebeu uma denúncia anônima sobre um possível cemitério clandestino localizado no bairro Jardim Protásio Alves, na zona Leste de Porto Alegre, próximo à rua Edigio Piccoli, na chamada Vila do Esqueleto. Após receber a informação, o 20º Batalhão de Polícia Militar (20º BPM) iniciou as buscas contando com o auxílio de Bonno, um cão farejador que encontrou um corpo e apontou outros seis locais onde possivelmente estariam enterrados outros corpos.

Os trabalhos na área foram em conjunto com o Corpo de Bombeiros, a Brigada Militar e a Polícia Civil. De acordo com o bombeiro Edmilson Bica de Oliveira, o local parecia servir para desovar corpos. O corpo encontrado, de um indivíduo do sexo masculino, estava enterrado em um buraco com cerca de um metro de profundidade e só foi possível localizar com o auxílio de uma retroescavadeira. “O perito disse que o corpo encontrado devia estar enterrado ali há dois meses”, afirmou Oliveira.

De acordo com a delegada Luciana Smith da 5ª Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (5ª DPHPP) o cão farejou em uma área específica do matagal. “A gente não exclui a possibilidade de ter mais algum corpo enterrado no entorno”, explicou a delegada. Segundo ela, ainda não é possível afirmar a linha de investigação. “Precisamos realizar a perícia para identificar o corpo que foi encontrado e entender do que se trata”, relatou Smith.

Conforme a delegada, apesar de existirem disputas entre facções na região, ainda é cedo para afirmar que os crimes têm relação com o tráfico de drogas. “Temos ocorrências de pessoas desaparecidas que poderiam estar enterradas aqui, por exemplo”, ressaltou Smith.