Porto Alegre

18ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Abril de 2018

  • 03/01/2018
  • 19:12
  • Atualização: 07:05

Suspeito de matar amigo se entrega à Polícia Civil

Homem compareceu na delegacia acompanhado de advogado e não prestou depoimento

Jonathan Rafael Maria foi morto pelo amigo no fim de dezembro quando foi cobrar de dívida de R$ 50 mil  | Foto: Reprodução / Facebook / CP

Jonathan Rafael Maria foi morto pelo amigo no fim de dezembro quando foi cobrar de dívida de R$ 50 mil | Foto: Reprodução / Facebook / CP

  • Comentários
  • Jessica Hübler

O homem suspeito de matar, esquartejar e carbonizar o corpo de Jonathan Rafael Maria, 31 anos, se entregou à Polícia Civil no final da tarde desta quarta-feira. Conforme a titular da 6ª DPHPP, delegada Elisa Ferreira de Souza, o homem foi à delegacia na companhia de um advogado e não prestou depoimento. “Ele se reservou ao direito de ficar calado”, afirmou.

Ainda conforme a delegada, o homem chegou à delegacia chorando muito, apesar de não ter dito uma palavra. “Agora ele está preso preventivamente e ficará a disposição da Justiça. Temos mais 10 dias para concluir o inquérito, vamos ouvir mais testemunhas e reunir mais provas periciais”, ressaltou a delegada. A motivação do crime, conforme ela, foi financeira.

O crime gerou uma comoção muito grande, conforme a delegada. "A família dele está muito preocupada, muito chateada. Tanto a vítima, quanto ele, eram de famílias que não tinham nenhum envolvimento com a criminalidade, ele não tinha antecedentes. Não é uma família que está acostumada com esse tipo de situação", destacou.

Sobre a brutalidade do crime, a delegada disse que nem a polícia consegue entender porque o homem teria agido dessa forma. "Creio que foi uma tentativa de se livrar de todos os indícios e os vestígios do crime. Provavelmente ele esquartejou para transportar o corpo, colocou fogo para tornar difícil o reconhecimento, como de fato foi e tudo isso, claro, arquitetado, planejado, de forma a dificultar a ação da polícia e a própria localização do corpo pela família", afirmou.