Correio do Povo | Notícias | Quadrilha ataca duas agências bancárias no Vale do Taquari

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

  • 01/05/2018
  • 09:00
  • Atualização: 09:21

Quadrilha ataca duas agências bancárias no Vale do Taquari

Criminosos dispararam a esmo para amedrontar moradores em Colinas

Quadrilha ataca duas agências bancárias no Vale do Taquari  | Foto: Policia Civil / Divulgação / CP

Quadrilha ataca duas agências bancárias no Vale do Taquari | Foto: Policia Civil / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

Uma quadrilha atacou duas agências bancárias na madrugada desta terça-feira na cidade de Colinas, no Vale do Taquari. Os alvos foram o Sicredi e o Banrisul, situados na rua Olavo Bilac, na área centra da cidade. A 1ª Delegacia de Polícia de Repressão a Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) vai apurar o caso. Segundo o delegado João Paulo de Abreu, a ação foi cometida por cinco criminosos que estavam em uma Ford EcoSport. Ele acredita que os criminosos, com toucas ninjas, coletes, luvas e roupas escuras, estavam armados com espingardas calibres 12 e pistolas calibres 9 milímetros.

“Primeiramente tentam atacar o Sicredi. Não empregam explosivos, mas acessam a agência e efetuam disparos contra a fachada e vidros. Desistem do Sicredi provavelmente pelo fato dos caixas eletrônicos serem isolados por uma cortina de ferro e por ter sido acionada a cortina de fumaça. Depois migram para o posto bancário do Banrisul aonde ingressam forçando a porta de acesso e empregam explosivos no único caixa eletrônico que havia no local. Houve a detonação mas não a subtração de valores pois a explosão não foi suficiente para romper o cofre do caixa eletrônico”, contou o delegado, antes de destacar que os ladrões utilizaram até pés-de-cabra.

Os criminosos efetuaram disparos a esmo para amedrontar os moradores e “tomaram de refém uma pessoa que estava lavando um ônibus”. Na fuga, a quadrilha espalhou miguelitos que impediram uma eventual perseguição policial por parte da Brigada Militar. As agências foram isoladas para a perícia do Departamento de Criminalística. Os agentes da 1ª Delegacia de Polícia de Repressão a Roubos do Deic analisam imagens de câmeras de monitoramento entre outras diligências.