Correio do Povo | Notícias | Suspeito de participação na morte de Marielle vai para outro presídio

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 16 de Julho de 2018

  • 15/05/2018
  • 08:58
  • Atualização: 09:18

Suspeito de participação na morte de Marielle vai para outro presídio

Orlando Curicica está preso provisoriamente e foi mandado para prisão de segurança máxima

Orlando Curicica está preso provisoriamente e foi mandado para prisão de segurança máxima | Foto: Reprodução / Facebook / CP

Orlando Curicica está preso provisoriamente e foi mandado para prisão de segurança máxima | Foto: Reprodução / Facebook / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A 5ª Vara Criminal da Capital, no Rio de Janeiro, autorizou nesta segunda-feira a transferência do ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, conhecido com Orlando Curicica, para um presídio federal de segurança máxima. A medida foi solicitada pelo Ministério Público Estadual. Curicica está preso provisoriamente no sistema penitenciário do Estado do Rio por porte ilegal de arma de fogo e de munição de uso restrito.

Ele também já foi condenado por roubo circunstanciado e responde a processos por pertencimento a organização criminosa e homicídio qualificado. Caberá ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) indicar o presídio federal para onde ele será encaminhado.

Alegações do Ministério Público

O MP alegou, em seu pedido, que a transferência "é de grande relevância para o interesse da segurança pública, visando inibir a atuação do preso e coibir eventuais associações criminosas, bem como quaisquer outras práticas que atentem contra o Estado e a população". De acordo com a Justiça, Curicica é apontado como principal líder do grupo criminoso conhecido como Milícia de Jacarepaguá.

Ele também é investigado como um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, morta em 14 de março deste ano, junto com o vereador carioca Marcello Siciliano (PHS). Apesar de a Polícia Civil não falar sobre o caso, a informação de que os dois são investigados foi confirmada pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. Tanto Curicica quanto Siciliano negam participação no crime.