Correio do Povo | Notícias | Polícia prende três e recolhe mais de 100 veículos em operação contra quadrilha em Passo Fundo

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 16/06/2018
  • 19:55
  • Atualização: 19:58

Polícia prende três e recolhe mais de 100 veículos em operação contra quadrilha em Passo Fundo

Grupo aplicava “golpe do bilhete premiado” em cinco estados

Operação da Polícia Civil prende três em Passo Fundo | Foto: Emerson Wendt / Polícia Civil

Operação da Polícia Civil prende três em Passo Fundo | Foto: Emerson Wendt / Polícia Civil

  • Comentários
  • Rádio Guaíba

A Polícia Civil prendeu três pessoas e apreendeu mais de 100 veículos, entre carros e motocicletas e embarcações, em meio à operação Pólis, deflagrada neste sábado em Passo Fundo, no Norte gaúcho. Cerca de 430 policiais, em 140 viaturas e um helicóptero, cumpriram 127 ordens judiciais, a fim de desbaratar uma quadrilha suspeita de estelionato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A estratégia: o conhecido “conto do bilhete premiado”.

A Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas de Passo Fundo (Defrec) e a 6ª Delegacia de Polícia Regional iniciaram as investigações em maio de 2015, quando constataram que os veículos envolvidos na prática dos crimes tinham placas de outras cidades. Os agentes descobriram, então, que comprovantes de moradia eram falsificados para emplacar os automóveis.

Em três anos, a Polícia Civil identificou mais de 180 envolvidos na atividade criminosa, entre pessoas físicas e jurídicas e localizou bens móveis e imóveis em nome de terceiros, o que motivou a representação pelas buscas, apreensão e bloqueio dos bens.

O golpe consiste em uma simulação teatral em que um dos estelionatários finge ser uma pessoa humilde ou analfabeta para, nas imediações de bancos, abordar a vítima, geralmente uma pessoa idosa e aparentando situação financeira favorável.

De acordo com a Delegacia de Furtos, Roubos e Capturas de Passo Fundo, a cidade se tornou “berço” de uma quadrilha especializada nesse tipo de crime, aplicado nos três estados do Sul, em Minas Gerais e em São Paulo. É em Passo Fundo, segundo os investigadores, que a quadrilha se organiza, treina a simulação usada no golpe, adquire veículos e investe o dinheiro, em contas de laranjas ou parentes ou comprando joias e imóveis de luxo.