Correio do Povo | Notícias | Funcionários credenciados do Detran são presos em desmanche clandestino

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de Novembro de 2018

  • 02/08/2018
  • 08:45
  • Atualização: 10:11

Funcionários credenciados do Detran são presos em desmanche clandestino

Grupo aproveitava a função para praticar crimes em Gravataí

Toneladas de peças automotivas foram apreendidas | Foto: Polícia Civil / Divulgação / CP

Toneladas de peças automotivas foram apreendidas | Foto: Polícia Civil / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

A Polícia Civil desarticulou, na tarde de quarta-feira, um desmanche clandestino de veículos localizado ao lado de um centro credenciado do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em Gravataí, na região Metropolitana. Durante a ação, quatro funcionários credenciados do Detran foram flagradas desmanchando um veículo roubado e presos por receptação e adulteração de sinal identificador de veículos. 

De acordo com os delegados Thiago Bennemann e Adriano Nonnenmacher, que comandaram a ação, o grupo fez uma porta secreta que ligava o desmanche clandestino ao Centro de Desmanches Veiculares (CDV) credenciado ao Detran, onde eles trabalhavam. Segundo os delegados, os presos utilizavam como pretexto o credenciamento junto a órgãos administrativos para praticar os crimes.

Toneladas de peças automotivas entre motores, portas e carcaças de veículos foram encontradas. Durante vistoria, agentes da Delegacia de Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec) de Canoas e da Delegacia de Roubo de Veículos (DRV) do Deic, com apoio da Corregedoria do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/RS), localizaram ainda um veículo roubado no final de julho, na cidade de Canoas.

“O veículo estava sendo desmanchado por quatro pessoas no exato momento da chegada dos policiais civis, razão pela qual os indivíduos foram autuados em flagrante por receptação e adulteração de sinais identificadores, eis que o veículo estava com placas falsas, clonadas”, explicaram Bennemann e Nonnenmacher.