Correio do Povo | Notícias | Três acusados por aborto que causou morte de gestante são condenados no Rio

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de Setembro de 2018

  • 10/08/2018
  • 12:32
  • Atualização: 13:14

Três acusados por aborto que causou morte de gestante são condenados no Rio

Clínica clandestina operou durante anos no Rio e cobrava entre R$ 2 mil e R$ 5 mil por cada procedimento

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Justiça do Rio de Janeiro condenou três acusados de integrar um grupo criminoso que praticava abortos e que foi responsável pela morte de Jandyra Magdalena dos Santos Cruz. Ela morreu depois de se submeter a um aborto na clínica clandestina, em 2014, no Rio. Seu corpo foi esquartejado e carbonizado em seguida. Além de Jandyra, mais duas grávidas morreram durante procedimentos na clínica.

• Encerrada audiência pública no STF sem data para decidir descriminalização do aborto

Carlos Augusto Graça de Oliveira, Rosemere Aparecida Ferreira e Vanusa Vais Balcine foram condenados pelos jurados do 4º Tribunal do Júri do Rio na madrugada desta sexta-feira, depois de um julgamento que durou 12 horas. A maior pena foi dada a Rosemere Aparecida Ferreira, acusada de gerenciar o grupo, fazer contato com clientes e repartir o dinheiro: 35 anos e seis meses de prisão por homicídio, aborto, destruição de cadáver e formação de quadrilha.

O falso médico Carlos Augusto Graça de Oliveira foi condenado a 26 anos e seis meses por homicídio, aborto e formação de quadrilha. Já Vanusa Vais Balcine, também acusada de comandar o grupo, foi condenada a 15 anos e seis meses por aborto seguido de morte, destruição de cadáver e formação de quadrilha.

• Falsos médicos, entre eles brasileiros, deixam Argentina em alerta

O regime de cumprimento de pena será inicialmente fechado. Os réus não poderão recorrer em liberdade. Na sentença, o juiz Gustavo Gomes Kalil destacou que a quadrilha era organizada e sofisticada e que operou durante anos no Rio e cobrava entre R$ 2 mil e R$ 5 mil por cada  procedimento. Acredita-se que o grupo recebia em torno de R$ 1 milhão por mês. “O negócio explorava o desespero de mulheres que engravidavam e, pelos mais variados motivos, recorriam a eles”, disse o juiz.