Correio do Povo | Notícias | PF deflagra 2ª fase da Operação Rosa dos Ventos contra sonegação de R$ 5 bilhões

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

  • 15/08/2018
  • 08:15
  • Atualização: 08:38

PF deflagra 2ª fase da Operação Rosa dos Ventos contra sonegação de R$ 5 bilhões

Principal alvo da investigação é um auditor fiscal que teria recebido viagem para a Disney com a família

  • Comentários
  • AE

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira, a segunda fase da Operação Rosa dos Ventos, para apurar crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo sonegação fiscal em distribuidoras de combustível na região de Campinas. Quatro investigados foram presos. Um não estava no local de busca e está sendo procurado. O principal alvo da investigação é um auditor fiscal que teria até mesmo recebido viagem para a Disney com a família.

Em nota, a PF informou que está cumprindo seis mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão nas cidades de Campinas e São Paulo. Todos eles foram expedidos pela Justiça Federal de Campinas. Esta fase da investigação teve início com a análise do material apreendido na primeira etapa da apuração, quando policiais federais encontraram indícios de que os investigados teriam um esquema envolvendo corrupção de um agente público, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, que inicialmente não havia sido detectado.

A primeira fase da operação Rosa dos Ventos foi deflagrada há um ano, em 15 de agosto de 2017, após a fiscalização da Receita constatar sonegação fiscal em uma distribuidora de combustíveis de Paulínia (SP). Foram investigados, naquele inquérito policial, crimes contra a ordem tributária, lavagem de dinheiro e falsificação de títulos públicos.

Levantamentos feitos na investigação apontaram um prejuízo de R$ 5 bilhões em impostos sonegados e multas que deixaram de ser pagas pelos investigados e suas empresas, conforme créditos tributários constituídos definitivamente em tributos federais e estaduais.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e crimes contra a ordem tributária, penas de dois a 12 anos de prisão e multa.