Correio do Povo | Notícias | PF quer prender quadrilha que frauda abono salarial e PIS em São Paulo

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

  • 22/08/2018
  • 08:17
  • Atualização: 08:35

PF quer prender quadrilha que frauda abono salarial e PIS em São Paulo

Operação deve cumprir oito mandatos de busca e apreensão na capital paulista

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quarta-feira em São Paulo, a operação Golpes Master. O objetivo é desarticular uma quadrilha voltada para a obtenção fraudulenta do abono salarial/PIS (Programa de Integração Social) em agências da Caixa Econômica Federal. A previsão é cumprir oito mandados de busca e apreensão em residências na capital paulista na tentativa de colher provas e documentos. Um grupo de 60 policiais participa da ação.

Há quatro meses, começou a investigação conduzida pela delegacia de Polícia Federal de Cruzeiro/SP, que prendeu um dos integrantes do grupo a partir do cruzamento de informações e comparações de imagens captadas pelas câmeras de vigilância das agências bancárias. Somente nesta primeira fase da operação foi possível identificar 88 saques fraudulentos. O cálculo é de um prejuízo para os cofres públicos de mais de R$ 80 mil.

• Quadrilha de roubos a bancos é alvo de operações no Rio Grande do Sul

O que é o PIS

O PIS é um programa do governo federal voltado para o financiamento do pagamento do seguro-desemprego, abono salarial e participação na receita dos órgãos e entidades. O benefício é pago anualmente, no valor máximo de um salário mínimo, para pessoas cadastradas no programa há mais de cinco anos, que tenham tido uma remuneração média no ano anterior até dois salários mínimos, dentre outros requisitos.

O nome da operação se deu porque a quadrilha havia formado uma empresa fictícia denominada Golpes Master e, com frequência, postava nas redes sociais fotos do dinheiro obtido com as fraudes praticadas.

As informações se restringem à nota da Polícia Federal, não haverá entrevista coletiva, porém, o delegado responsável pela investigação e execução da operação se encontrará no Setor de Comunicação Social da Superintendência da PF em São Paulo às 10h30min, quando estará à disposição da imprensa para esclarecer dúvidas.