Correio do Povo | Notícias | Ex-líder do tráfico na Rocinha, Nem é condenado a 66 anos de prisão

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 18 de Novembro de 2018

  • 06/09/2018
  • 07:45
  • Atualização: 07:54

Ex-líder do tráfico na Rocinha, Nem é condenado a 66 anos de prisão

Chefe de quadrilha foi condenado por dois homicídios qualificados e ocultação de cadáver

Antônio Francisco Bonfim Lopes foi preso em novembro de 2011 | Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo / CP Memória

Antônio Francisco Bonfim Lopes foi preso em novembro de 2011 | Foto: Wilton Junior / Estadão Conteúdo / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

O 3º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro condenou Antônio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem, a 66 anos de prisão por dois homicídios, em maio de 2011. O julgamento, iniciado na última terça-feira, foi concluído na noite de quarta-feira. Apontado como chefe da quadrilha que controlava a venda de drogas na Rocinha até pouco tempo, Nem foi preso em novembro de 2011, durante operação na comunidade para a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Ele também é considerado um dos responsáveis pelos confrontos armados, iniciados em meados do ano passado, pelo controle dos pontos de comércio de drogas na favela.

• Mulher do traficante Nem da Rocinha é presa no Rio

Nem foi condenado pelos homicídios qualificados e pelas ocultações de cadáver da modelo Luana Rodrigues de Sousa e da amiga dela, Andressa de Oliveira. "Assim, considerando o longo período da apontada liderança, bem como a vastidão de agentes sob o comando do acusado, que exercia poder avocando funções exclusivas do Estado, impedindo, inclusive, que o Estado exercesse na plenitude sua soberania, face ao exército de criminosos associados e cumpridores de ordens do réu e, finalmente, o poder bélico necessário para a garantia da liderança na comunidade", diz a sentença.

• Justiça do Rio condena traficante Rogério 157 a 32 anos de prisão

Na mesma sentença, foi condenado Thiago de Souza Cheru, a 30 anos e quatro meses de prisão. Anderson Rosa Mendonça e Rodrigo Belo Ferreira foram absolvidos.