Correio do Povo | Notícias | Ataque a carro-forte no Hospital Conceição deixa pelo menos três feridos

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 18 de Novembro de 2018

  • 06/09/2018
  • 15:12
  • Atualização: 22:10

Ataque a carro-forte no Hospital Conceição deixa pelo menos três feridos

Criminosos fugiram em um carro de cor prata

Três pessoas ficaram feridas em ataque | Foto: Franceli Stefani / Especial CP

Três pessoas ficaram feridas em ataque | Foto: Franceli Stefani / Especial CP

  • Comentários
  • Franceli Stefani

Uma tentativa de roubo aos malotes da empresa de transporte de valores Prosegur terminou com três pessoas feridas, na tarde desta quinta-feira, no Grupo Hospitalar Conceição, localizado no bairro Cristo Redentor, na zona Norte de Porto Alegre. Conforme o comandante da 3ª Companhia do 11º Batalhão de Polícia Militar, capitão Sérgio Roberto Rocha Machado, três homens teriam realizado o ataque. Eles entraram por uma porta lateral da instituição de saúde, usando máscaras cirúrgicas e trocaram tiros com os vigilantes. Durante a ação, fugiram sem subtrair nenhum valor da equipe.

Conforme o oficial, os profissionais quando perceberam ao ataque entraram em confronto com os criminosos. “O vigilante acabou alvejado na troca de tiros. Uma senhora da limpeza foi ferida com um disparo na perna e uma acompanhante de paciente foi ferida na nádega”, contou o capitão. Nenhum dos feridos corre risco de morrer e, após receberem o primeiro atendimento no Conceição, foram encaminhados ao Hospital Cristo Redentor.

A polícia acredita que pelo menos um dos assaltantes acabou ferido na investida. “Observamos marcas de sangue pelo local que eles entraram e, posteriormente, saíram.” O armamento usado pelos autores do ataque era pesado, pelo menos duas pistolas e, provavelmente, uma .9mm. “Acredito que eles tinham conhecimento da área, pelo modo que agiram. Utilizaram um carro, um modelo ainda não confirmado, e acessaram a instituição como se fossem de uma empresa terceirizada.”

O diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), delegado Rodrigo Bozzetto, acompanhou o primeiro trabalho feito pela Delegacia de Roubos da Polícia Civil. “Assim que recebemos a informação nos deslocamos para cá e os agentes fizeram as diligências preliminares. Já temos uma ideia da dinâmica dos fatos”, disse. Bozzetto explicou que o bando ingressou no hospital no momento em que os profissionais abasteciam os caixas eletrônicos que há na unidade: “Eles ingressaram pela porta lateral, entraram no corredor que dá direto onde acontecia o abastecimento e houve a intensa troca de tiros”.

O Instituto Geral de Perícias (IGP) esteve no local para coletar material, vestígios de sangue e digitais, para chegar aos possíveis autores. “Todo levantamento necessário foi feito, agora o trabalho da Roubos é identificar os três ou quatro envolvidos no ataque”, disse Bozzetto.

Os nomes das vítimas não foram informados pela polícia, nem pela casa de saúde. Os criminosos fugiram em um carro prata pela avenida Assis Brasil em direção a Canoas. A Brigada Militar e a Polícia Civil fizeram buscas à quadrilha, mas nenhum suspeito foi encontrado. A perícia foi realizada instantes após o crime. As equipes da Delegacia de Roubos recolheram as imagens das câmeras da segurança, que poderão ajudar na identificação dos criminosos.

O que diz o hospital

Segundo o diretor administrativo e financeiro do Conceição, José Ricardo Agliardi Silveira, a casa contribuirá com todas as informações necessárias para o trabalho da polícia. A ação criminosa foi pontual e específica, com intuito de levar o dinheiro da empresa de transporte de valores. “Houve uma situação muito objetiva e buscavam o valor, viram segurança com preparo profissional e, agora, aguardamos a conclusão do trabalho”, enfatizou.

No local, além da homens que garantem a ordem no espaço, há monitoramento de vídeo, além de cadastramento dos visitantes que frequentam a unidade. “O que houve aqui é reflexo de uma série de situações que a sociedade gaúcha vem vivendo. O armamento utilizado nunca é usado por nossos seguranças. Aqui você não vai encontrar. Ficamos vulneráveis a esse tipo de situação”, ponderou.