Correio do Povo | Notícias | Cinco são denunciados por aplicar golpe e assassinar homem com deficiência em Porto Alegre

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de Setembro de 2018

  • 10/09/2018
  • 14:04
  • Atualização: 14:06

Cinco são denunciados por aplicar golpe e assassinar homem com deficiência em Porto Alegre

Acusados mataram vítima para ficar com seguro de vida no valor R$ 800 mil, contratado com dados falsos

  • Comentários
  • Correio do Povo

A Promotoria do Júri de Porto Alegre apresentou denúncia contra cinco pessoas pelo assassinato no ano passado de André Fonseca Zanirati, 49 anos, conhecido como Alf, portador de deficiências de aprendizagem e fala. Os réus devem responder por homicídio duplamente qualificado e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima. A denúncia é assinada pelo promotor de Justiça Luiz Eduardo de Oliveira Azevedo.

O crime ocorreu no dia 25 de fevereiro de 2017, por volta das 23h, na estrada São Caetano, no bairro Lami, em Porto Alegre. A vítima foi executada a tiros pelos denunciados que pretendiam ficar com o dinheiro de seguro de vida em nome dela. Segundo o Ministério Público, um dos acusados contratou um seguro de vida no valor de R$ 800 mil para a vítima, fornecendo dados falsos sobre o segurado e pagando parcelas da apólice contratada.

Indicado por ex-colega de trabalho também envolvido, uma técnica de enfermagem, fingindo ser a companheira da vítima, foi a beneficiária da apólice em troca da promessa de receber até R$ 15 mil. Já um advogado deu orientação jurídica ao esquema criminoso.

Conhecido de André Fonseca Zanirati, um vizinho foi até a residência onde a vítima morava, no bairro Cavalhada, sob o pretexto de entregar-lhe um presente. Logo em seguida, a vítima foi convencida a visitar uma amiga em comum. Depois de deixarem a residência dessa amiga, André Fonseca Zanirati foi levado para um local desabitado, onde foi morto a tiros pelo vizinho, sendo o corpo encontrado no Lami.

De acordo com o Ministério Público, o agente de seguros contratado foi informado de que a vítima havia morrido, mas ele desconfiou de fraude no processo e deixou de comunicar o sinistro à seguradora. Como a tentativa de recebimento administrativo do valor do prêmio foi frustrada, o advogado indicou o escritório no qual atuava para ser ajuizada ação indenizatória contra a seguradora. No entanto, a investigação da Polícia Civil esclareceu as circunstâncias da morte e o golpe acabou sendo descoberto. Até a deepweb, o lado obscuro da internet, foi usado no esquema visando impedir o rastreamento de e-mails dos envolvidos.