Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 25 de Junho de 2017

  • 18/05/2017
  • 16:14
  • Atualização: 17:56

Temer nega denúncias e descarta renúncia

Presidente exigiu ampla e rigorosa investigação sobre delação dos empresários da JBS

Temer afirmou que não deixará o Planalto | Foto: Evaristo Sa / AFP / CP

Temer afirmou que não deixará o Planalto | Foto: Evaristo Sa / AFP / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo

* Com informações da Agência Brasil

Em pronunciamento à Nação nesta quinta-feira, Michel Temer negou com veemência seu envolvimento em um possível aval para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e descartou deixar o cargo de presidente da República. Com a voz rouca e enfático, Temer afirmou que não deixará o Planalto: "Não renunciarei. Repito não renunciarei", disse.

• Vídeo: Crise jamais vista no Brasil, diz Juremir Machado da Silva

• Após delação, donos da JBS terão imunidade completa

• Ministro Edson Fachin homologa delação premiada da JBS

Temer abriu seu discurso destacando a melhora na economia e a queda da inflação e ao mesmo afirmou que a notícia da gravação - conversa com o empresário da JBS - atrasa o desenvolvimento do Brasil.  "Meu governo viveu nesta semana seu melhor e seu pior momento."

Segundo o presidente, a investigação do Supremo Tribunal Federal (STF) será território onde surgirão todas as explicações. “No Supremo, demonstrarei não ter nenhum envolvimento com esses fatos”, disse Temer.

Na noite dessa quarta-feira, o jornal O Globo divulgou reportagem sobre encontro gravado em áudio pelo empresário Joesley Batista, em que Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. Cunha está preso em Curitiba.

Hoje o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin homologou a delação premiada dos irmãos Joesley Batista e Wesley Batista, donos do grupo JBS, e abriu inquérito para investigar o presidente Michel Temer.

Mais uma vez, Temer falou da sua trajetória política. Disse que não tem nada a esconder.  "Sei do que fiz e sei da correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida". Para encerrar, declarou que seu compromisso é com o Brasil.