Correio do Povo | Notícias | Polícia Federal isenta Aécio Neves no caso Furnas

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 20 de Novembro de 2018

  • 09/08/2017
  • 19:12
  • Atualização: 19:23

Polícia Federal isenta Aécio Neves no caso Furnas

Delegado concluiu que "não é possível atestar que senador realizou as condutas criminosas"

Delegado concluiu que

Delegado concluiu que "não é possível atestar que senador realizou as condutas criminosas que lhe são imputadas" | Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

A Polícia Federal isentou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no caso Furnas. Em relatório enviado ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o delegado Alex Levi Resende concluiu que 'não é possível atestar que senador realizou as condutas criminosas que lhe são imputadas'.

"A partir do conteúdo das oitivas realizadas e nas demais provas carreadas para os autos, cumpre dizer que não é possível atestar que Aécio Neves da Cunha realizou as condutas criminosas que lhe são imputadas", diz a conclusão do inquérito.

Em delação premiada, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) afirmou que Aécio recebia vantagens ilícitas desviadas da diretoria de engenharia de Furnas. De acordo com o petista, o esquema era operado pelo ex-diretor Dimas Toledo, que teria "vínculo muito forte" com o tucano. Delcídio disse que os desvios eram repartidos entre Aécio e o ex-deputado José Janene, do PP.

O inquérito Furnas investigava suposto esquema de propinas no âmbito da estatal de energia. Aécio era investigado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. "Após a realização de inúmeras e detalhadas diligências, incluindo a oitiva de empresários, políticos de oposição e delatores, durante um ano e três meses, a Polícia Federal concluiu que inexistem elementos que apontem para o envolvimento do Senador Aécio Neves em supostas atividades ilícitas relativas a Furnas", informou a defesa do político. "Assim, estando comprovada a falta de envolvimento do senador com os fatos que lhe foram atribuídos, a Defesa aguarda a remessa dos autos à PGR e para que, na linha do que concluiu o denso relatório policial, seja requerido o arquivamento do Inquérito, com sua posterior homologação."