Correio do Povo | Notícias | Justiça nega pedido de indenização de Temer contra Joesley Batista

Porto Alegre

21ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 24 de Setembro de 2018

  • 18/01/2018
  • 17:51
  • Atualização: 18:01

Justiça nega pedido de indenização de Temer contra Joesley Batista

Empresário declarou que presidente era o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil à revista Época

Justiça nega pedido de indenização de Temer contra Joesley Batista | Foto: Beto Barata / PR / CP

Justiça nega pedido de indenização de Temer contra Joesley Batista | Foto: Beto Barata / PR / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Justiça do Distrito Federal rejeitou ação protocolada pela defesa do presidente Michel Temer contra o empresário Joesley Batista, dono da JBS. A ação foi movida após entrevista do empresário à revista Época, publicada em junho do ano passado, em que o Joesley disse que Temer é "o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil". A defesa do presidente pediu o pagamento de R$ 600 mil de indenização por danos morais por entender que o empresário mentiu e usou expressões "absolutamente difamatórias, caluniosas e injuriantes" durante a entrevista.

Na decisão, tomada no último dia 12, o juiz Jaider Ramos de Araújo, da 10ª Vara Cível do Distrito Federal, argumentou que a publicação da reportagem ocorreu após a queda do sigilo das delações da JBS, não podendo ser considerado que a entrevista teve o propósito de denegrir a imagem de Temer. "Importante destacar, também, que a entrevista publicada na revista apresenta narrativa clara e objetiva, sem a utilização de adjetivações pejorativas ou discriminatórias de natureza pessoal que revelem o desejo de ofender a honra do autor", decidiu o juiz.

Joesley Batista está preso desde setembro do ano passado. A prisão por tempo indeterminado foi requerida pelo ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, após a anulação da imunidade penal que foi concedida ao empresário. O procurador concluiu que Joesley omitiu informações da Procuradoria-Geral da República (PGR) durante o processo de assinatura do acordo de delação premiada