Correio do Povo | Notícias | Moreira Franco pede ao Cade livre concorrência para combustíveis

Porto Alegre

11ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de Maio de 2018

  • 08/02/2018
  • 15:45
  • Atualização: 15:51

Moreira Franco pede ao Cade livre concorrência para combustíveis

Ministro da Secretaria-Geral do governo Michel Temer quer resposta ainda nesta semana

Moreira Franco quer resposta imediata do Conselho Administrativa de Defesa Econômica | Foto: Marcos Corrêa / Presidência da República / Divulgação / CP memória

Moreira Franco quer resposta imediata do Conselho Administrativa de Defesa Econômica | Foto: Marcos Corrêa / Presidência da República / Divulgação / CP memória

  • Comentários
  • AE

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco, usou nesta quinta-feira o Twitter para reforçar que solicitou ao presidente do Conselho Administrativa de Defesa Econômica (Cade), Alexandre Barreto de Souza, que se preserve "o direito dos consumidores de combustível aos benefícios da livre concorrência". "O tabelamento acabou. A concorrência entre os vendedores fixa o preço. O consumidor tem o direito de escolher o mais baixo", escreveu.

O alvo da consulta ao Cade não é a política de preços da Petrobras, mas sim o não repasse das quedas de preços para o consumidor. A expectativa do ministro é ter uma resposta ainda nesta semana, antes do carnaval. A reclamação do governo e dos consumidores é que as altas de preços praticados pela Petrobras são quase que automaticamente repassadas às bombas, mas a redução dos preços não chega nos postos e, portanto, não é repassada à população.

Petrobras vai alterar forma de divulgar reajustes na gasolina e diesel

Gasolina no RS é 15 centavos mais cara que a média nacional

Petrobras anuncia queda de 1,50% no preço da gasolina

O governo rejeita o verbo "intervir", que tem uma conotação negativa, soa como uma invasão na liberdade de atuação do mercado, mas diz que não pode assistir de mãos atadas a atuação cartelizada das corporações do setor, em prejuízo dos consumidores. Por isso, a intenção é "buscar a lei" contra os cartéis.