Correio do Povo | Notícias | Temer e presidente do Paraguai conversam por telefone sobre acordo Mercosul-UE

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

  • 06/03/2018
  • 12:59
  • Atualização: 13:03

Temer e presidente do Paraguai conversam por telefone sobre acordo Mercosul-UE

Negociado desde 1999, entendimento entre os blocos esteve perto de uma conclusão em 2004

Temer e presidente do Paraguai conversam por telefone sobre acordo Mercosul-UE | Foto: Beto Barata / PR / CP

Temer e presidente do Paraguai conversam por telefone sobre acordo Mercosul-UE | Foto: Beto Barata / PR / CP

  • Comentários
  • AE

O presidente Michel Temer conversou na manhã desta terça-feira por telefone, com o presidente do Paraguai, Horácio Cartes, que ocupa a Presidência pro tempore do Mercosul, divulgou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República. A assessoria informou que os dois conversaram "sobre a negociação para a conclusão do acordo Mercosul - União Europeia", mas não deu mais detalhes sobre a conversa.

Negociado desde 1999, o entendimento esteve perto de uma conclusão em 2004. Mas o Mercosul considerou na época que a oferta dos europeus era insuficiente. O processo ficou congelado por anos e, em 2016, voltou a ser negociado. O objetivo do governo de Michel Temer era de anunciar o tratado em dezembro do ano passado. Mas, com uma oferta de abertura dos europeus uma vez mais insuficiente, o processo acabou não sendo concluído.

No fim de janeiro, depois de meses de entusiasmo com um eventual acordo entre Mercosul e União Europeia, o governo brasileiro admitiu que um entendimento de livre-comércio com o bloco europeu estava "difícil" de ser concluído. Na época, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, revelou que em sua passagem por Bruxelas notou que a resistência por um acordo entre parte dos europeus era elevada. "Acho difícil fechar esse acordo", admitiu o ministro na ocasião.

O entendimento entre Mercosul e Europa era de que, depois de uma oferta dos sul-americanos em dezembro, era o momento de Bruxelas avaliar como poderia fazer uma nova oferta que pudesse atender aos interesses comerciais dos exportadores brasileiros e argentinos.