Correio do Povo | Notícias | Prefeito de Curitiba pede intervenção da Justiça contra vigília pró-Lula

Porto Alegre

22ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Outubro de 2018

  • 09/05/2018
  • 09:45
  • Atualização: 09:49

Prefeito de Curitiba pede intervenção da Justiça contra vigília pró-Lula

Rafael Greca disse que a Polícia Militar e a Guarda Municipal devem proteger os moradores

Prefeito de Curitiba pede intervenção da Justiça contra vigília pró-Lula | Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil / CP

Prefeito de Curitiba pede intervenção da Justiça contra vigília pró-Lula | Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AE

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), disse em entrevista ao Jornal da Eldorado nesta quarta-feira que pediu à Justiça Federal para que os militantes que acampam perto da sede da Polícia Federal em solidariedade ao ex-presidente Lula, condenado e preso na Operação Lava jato, sejam retirados de lá.

"O prédio da PF não é uma penitenciária e a Justiça não pode violar a lei. Conversei com desembargadores do TRF-4 de Porto Alegre e fui muito bem recebido", disse Greca. "O município merece respeito da Justiça Federal, mas Justiça tem seu tempo e talvez por isso os prédios caiam em SP por abandono."

Ainda de acordo com o prefeito curitibano, o monitoramento feito pela Polícia Militar do Paraná e a Guarda Municipal para manter a segurança do local, onde já houve um ataque a tiros que deixou ao menos dois feridos, custa cerca de R$ 10 mil por dia. "Temos um monitoramento da PM e da Guarda, isso custa dinheiro, mas os ânimos estão acirrados. O PT e o MST colocam em antipatia a população civil de Curitiba", disse.

"Tudo que for preciso para proteger os moradores eu vou fazer. A Justiça não tem direito de criar desarmonia na minha cidade", disse Greca Lula cumpre a pena de 12 anos de prisão na sede da PF em Curitiba desde 7 de abril, dois dias depois de ter tido a prisão decretada pelo juiz Sergio Moro no caso do triplex do Guarujá (SP) e após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter-lhe negado um habeas corpus.

O ex-presidente foi condenado em segunda instância pelo TRF-4 de Porto Alegre. Desde então, militantes do PT, MST, CUT e outros movimentos sociais acampam perto da sede da PF em Curitiba em vigília pela libertação do ex-presidente. O local também tem recebido visitas de líderes do PT e de outros partidos.