Correio do Povo | Notícias | Governo do RS aposta em "corredores de segurança" para desobstruir rodovias

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de Setembro de 2018

  • 30/05/2018
  • 08:56
  • Atualização: 08:59

Governo do RS aposta em "corredores de segurança" para desobstruir rodovias

Sistema será implantado nas BRs 116, 287 e 386

Exército escolta caminhões de combustíveis na BR 116 | Foto: Alina Souza

Exército escolta caminhões de combustíveis na BR 116 | Foto: Alina Souza

  • Comentários
  • Correio do Povo

O governo no Rio Grande do Sul e as Forças Armadas apostam em “corredores de segurança” para desobstruir rodovias e garantir o deslocamento de cargas e produtos. A medida foi anunciada na terça-feira – nono dia da greve dos caminhoneiros.

Os corredores de segurança começaram a ser implantados ontem nas BRs 116, 287 e 386. O governo garante que fretes de caminhões de empresas identificados e que estão retidos em rodovias com cargas de alimentos, remédios ou combustíveis, aos poucos, estão sendo liberados. De acordo com o coordenador da Defesa Civil Estadual, coronel Alexandre Martins, o transporte de combustíveis, nesta terça-feira, já era feito pelos próprios motoristas de empresas, sem necessidade de intervenção.

De domingo a terça-feira, a Brigada Militar e os Bombeiros escoltaram caminhões para cerca de 218 postos de combustíveis de 43 municípios, segundo o governo do RS. Em Porto Alegre, foram 78.

“Limite do caos”

Um dos organizadores da medida, o general de Exército do Comando Militar do Sul (CMS), Geraldo Antônio Miotto, entende que o momento é de dar um basta nas paralisações. "Chegou o momento do limite do caos, e quem está sofrendo com isso é o pequeno produtor, que não consegue escoar a produção. No entorno das pequenas cidades do interior, não há condições de estocagem", ressaltou.

Enquanto isso, os presidentes da República, Michel Temer, da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, divulgaram nota conjunta conclamando os caminhoneiros a voltarem ao trabalho, “e propiciar normalidade à vida de todos os brasileiros”.

No último domingo, Temer voltou a negociar com a categoria e acertou uma queda de R$ 0,46 no valor do combustível nas bombas por 60 dias e o fim da cobrança de pedágio para caminhões trafegando com eixo suspenso no país. Além disso, uma das principais reivindicações – isenção do PIS/Cofins sobre o óleo diesel – foi aprovada ontem no Senado. O governo federal também garantiu ontem que não existem mais bloqueios nas rodovias do país, apenas concentração de caminhoneiros