Correio do Povo | Notícias | Em convenção, PDT oficializa candidatura de Ciro Gomes à presidência da República

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

  • 20/07/2018
  • 13:01
  • Atualização: 15:32

Em convenção, PDT oficializa candidatura de Ciro Gomes à presidência da República

Partido, contudo, não definiu o nome do vice e nem as outras legendas que integrarão a chapa

PDT oficializa candidatura de Ciro Gomes à presidência da República | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

PDT oficializa candidatura de Ciro Gomes à presidência da República | Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

O PDT confirmou a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República, na convenção nacional que reuniu filiados do partido nesta sexta-feira. “Ciro tem a responsabilidade de ser a síntese do Brasil soberano, mais justo e mais soberano”, afirmou o presidente do PDT, Carlos Lupi.

Para gerar empregos, Ciro Gomes disse que é preciso investir em ciência, tecnologia e inovação, bem como recuperar a indústria brasileira. Ele enumerou ainda a melhoria da segurança pública, com uma maior participação do governo federal, o aprimoramento da educação e da saúde, além de equilibrar as contas públicas e acabar com privilégios na administração pública.

"Mudar o Brasil é preciso e é possível", afirmou. Mais de uma vez, Ciro citou o ex-governador Leonel Brizola, fundador do PDT, que morreu em 2004, mas ainda é reverenciado no partido. "Recebo esta grave missão do PDT do meu amigo Leonel Brizola, porque quero cuidar do nosso povo. Quero protegê-lo", disse. Ciro Gomes defendeu uma campanha em que o debate de ideias prevaleça sobre o ódio: "O Brasil não vai sair desta situação difícil na base do nós contra eles".

Ainda sem vice e sem alianças, Ciro convidou "todos as forças políticas" a se juntarem ao PDT para "ajudar a mudar o Brasil". O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, disse que agora a missão dos filiados e simpatizantes é multiplicar o trabalho que já vem sendo desenvolvido pelo país e defender a candidatura de Ciro Gomes. "Vamos, a partir de agora, invadir as ruas e as praças do país para fazer Ciro Gomes presidente do Brasil", disse Carlos Eduardo Alves, ex-prefeito de Natal (RN).

A convenção reuniu integrantes do Diretório Nacional e do Conselho Político, representantes de movimentos sociais vinculados ao partido, senadores, deputados federais e estaduais, delegados e presidentes das comissões provisórias.

O partido não definiu o candidato a vice-presidente nem as demais legendas que integrarão a chapa de Ciro Gomes. A tarefa está a cargo da Executiva Nacional. Caberá também à cúpula pedetista articular com outras legendas e fechar a coligação que apoiará o presidenciável. Os partidos têm até o dia 15 de agosto para apresentar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a chapa completa, incluindo as legendas aliadas.

A expectativa da cúpula do PDT é que a eleição presidencial alavanque o partido nos estados. Lupi tem falado em eleger este ano uma bancada de pelo menos 40 deputados federais. Atualmente o partido tem 19 deputados federais e três senadores.

Até agora, o PDT tem oito nomes para disputar os governos estaduais: Waldez Góes (AP), Lígia Feliciano (PB), Carlos Eduardo Alves (RN), Jairo Jorge (RS), Pedro Fernandes (RJ), Acir Gurgacz (RO), Odilon de Oliveira (MS) e Osmar Dias (PR).

Perfil

Esta é a terceira vez que Ciro Gomes será candidato à Presidência da República: em 1998 e 2002, ele concorreu pelo PPS. Natural de Pindamonhangaba (SP), construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza, eleito em 1988, e governador do estado, eleito em 1990. Renunciou ao cargo de governador, em 1994, para assumir o Ministério da Fazenda, no governo Itamar Franco (1992-1994), por indicação do PSDB, seu partido na época.

Ciro Gomes foi ministro da Integração Nacional de 2003 a 2006, no governo do ex-presidente Lula, e tocou o projeto de Transposição do Rio São Francisco. Deixou a Esplanada dos Ministérios para concorrer a deputado federal e foi eleito. Também exerceu dois mandatos de deputado estadual no Ceará. Tem 60 anos e quatro filhos.