Correio do Povo | Notícias | PSB nacional destitui diretório do partido em Minas Gerais

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 18 de Novembro de 2018

  • 03/08/2018
  • 18:28
  • Atualização: 18:30

PSB nacional destitui diretório do partido em Minas Gerais

Entre os motivos estaria a possibilidade de uma coligação entre o partido e MDB

Convenção da sigla em Minas Gerais está marcada para a manhã de sábado | Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / CP Memória

Convenção da sigla em Minas Gerais está marcada para a manhã de sábado | Foto: Valter Campanato / Agência Brasil / CP Memória

  • Comentários
  • AE

A Executiva Nacional do PSB destituiu o diretório do partido em Minas Gerais. O presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, determinou destituição do antigo presidente estadual em Minas, João Marcos Grossi Lobo, e sua diretoria na noite desta quinta-feira após o ex-prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, pré-candidato ao governo do Estado pelo PSB, ter afirmado que desafiará a direção nacional e manterá a sua postulação para as eleições 2018.

Renê Vilela foi nomeado nesta sexta-feira, presidente interino do diretório pessebista em Minas, juntamente com uma nova diretoria provisória. Segundo Vilela, a direção anterior deixou de priorizar a eleição de uma bancada de deputados federais e estaduais - e vinha dando mais atenção à pré-candidatura de Lacerda. "A forma como a pré-campanha vinha sendo tomada não estava respeitando as prioridades nacionais", afirmou Vilela, que é muito próximo do deputado federal Júlio Delgado (PSB), considerado um opositor interno de Lacerda.

Outro motivo apontado pelo novo presidente foi a possibilidade de uma coligação entre MDB e PSB. Na quinta-feira, o ex-prefeito de BH confirmou que havia um entendimento entre os dois partidos para a formação de uma chapa majoritária. "Não faria sentido atuarmos para a reeleição uma bancada que está contra o PSB em nível nacional", afirmou Vilela. O novo dirigente também declarou que o MDB na coligação dificultaria a eleição de uma bancada legislativa do PSB.

Na última quarta-feira, um acordo em nível nacional entre PT e PSB fez com que os pessebistas retirassem a candidatura de Lacerda para apoiar a tentativa de reeleição do governador Fernando Pimentel (PT), enquanto no Pernambuco, Marília Arraes (PT) foi rifada para apoiar a candidatura de Paulo Câmara (PSB). No entanto, Lacerda e Arraes afirmaram que vão procurar manter a candidatura e cogitam de judicializar a questão. "Não há nenhuma obrigatoriedade de apoio ao Partidos dos Trabalhadores.

Temos total autonomia para definir o melhor caminho para alcançar nossos objetivos", afirmou o novo dirigente do PSB-MG. Uma fonte ouvida pela reportagem declarou que a legenda tem conversas com PCdoB, DC, que estão no campo de apoio a Pimentel, Avante, Patriotas, que já declararam apoio ao pré-candidato Rodrigo Pacheco (DEM), e PV, partido que está próximo de fechar coligação com o MDB.

Procurado pela reportagem, o ex-presidente do PSB-MG João Marcos Grossi Lobo disse que não tem nenhum ressentimento com a decisão e preferiu não comentar as declarações de Vilela. A reportagem também entrou em contato com Marcio Lacerda, que afirmou que só dará alguma declaração sobre a dissolução da diretoria em Minas após conversar com advogados. A convenção do PSB em Minas Gerais está marcada para a manhã de sábado.

Farpas

Nesta quinta-feira, Marcio Lacerda e Carlos Siqueira trocaram acusações. O presidente nacional da legenda deu uma entrevista ao jornal Estado de Minas qualificando a candidatura de Lacerda como "faz de conta", afirmando que a postulação "não existirá". "Ele chegou a comunicar à direção nacional que não seria candidato a nenhum cargo eletivo", afirmou Renê Vilela.

Em nota, Lacerda declarou que não houve nenhum acordo para "manter candidatura de aparências" e que manteve a agenda como pré-candidato após se encontrar com Siqueira, em abril. "Na última semana, inclusive, em conversa telefônica com Carlos Siqueira, consegui dele a garantia de apoio financeiro do partido à nossa campanha. Jamais seria capaz de fazer tantos movimentos que não fossem 'pra valer'", afirmou o ex-prefeito de Belo Horizonte. Carlos Siqueira não retornou as ligações feitas pela reportagem até o fechamento da matéria.