Correio do Povo | Notícias | Kátia Abreu será a vice na chapa de Ciro Gomes, do PDT

Porto Alegre

23ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

  • 05/08/2018
  • 16:54
  • Atualização: 16:55

Kátia Abreu será a vice na chapa de Ciro Gomes, do PDT

Escolha ocorreu após PSB acertar com o PT a neutralidade na corrida ao Planalto

Kátia Abreu será a candidata a vice na chapa de Ciro Gomes | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / Divulgação / CP

Kátia Abreu será a candidata a vice na chapa de Ciro Gomes | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / Divulgação / CP

  • Comentários
  • AE

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou que a senadora Kátia Abreu, de Tocantins, foi escolhida como vice de Ciro Gomes. A escolha pela chapa pura à Presidência ocorre após uma semana de seguidos reveses para Ciro. O ex-ministro estava em negociação avançada para compor com o PSB. No entanto, a executiva nacional pessebista acertou com o PT a neutralidade do partido na corrida ao Planalto. Em troca, foram retiradas as candidaturas do ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) ao governo de Minas e da vereadora Marília Arraes (PT), em Pernambuco.

A manobra do PSB teria sido acertada com o consentimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde 7 de abril em Curitiba, que deseja isolar Ciro no campo da centro-esquerda. No sábado, 4, o pedetista fechou a primeira e até agora única composição partidária da chapa, com o Avante. Historicamente ligada à bancada ruralista, a senadora foi eleita pelo Estado de Tocantins em 2006, pelo DEM (então PFL).

Quando a ex-presidente Dilma Rousseff assumiu o Planalto, em 2011, as duas acabaram se aproximando. Já pelo MDB, em 2014, Kátia foi reeleita para o cargo. No ano seguinte, foi nomeada ministra da Agricultura. No processo de impeachment de Dilma Rousseff, Kátia se tornou uma das mais ferrenhas defensoras da petista.

O apoio incondicional a Dilma, mesmo após o impeachment, custou à senadora a expulsão do MDB, em 2017. Em março deste ano, ela se filiou ao PDT para disputar a eleição suplementar do governo de Tocantins. Na corrida extemporânea, ela ficou em quarto lugar, com 15,66%.

Ela pretendia concorrer novamente ao mesmo cargo em outubro. Na eleição estadual, Lula enviou carta de apoio à candidatura de Kátia, mesmo sem o PT fazendo parte formalmente da chapa.