Correio do Povo | Notícias | STF retira de Moro trechos de delação da Odebrecht sobre Lula

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

  • 14/08/2018
  • 16:25
  • Atualização: 16:51

STF retira de Moro trechos de delação da Odebrecht sobre Lula

Por 3 a 1, ministros entenderam que material não tem relação com Lava Jato

STF retira de Moro trecho de delação sobre Lula e Mantega | Foto: Mauro Pimentel / AFP / CP Memória

STF retira de Moro trecho de delação sobre Lula e Mantega | Foto: Mauro Pimentel / AFP / CP Memória

  • Comentários
  • AE

Por 3 a 1, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira retirar do juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, trechos de delação da Odebrecht que citam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT). A partir da decisão dos ministros, os trechos deverão seguir para a Justiça Federal do DF. O resultado do julgamento marca mais uma derrota para o relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, que já acumula 20 reveses no colegiado.

Esta é a segunda vez que os ministros da Segunda Turma tiram de Moro trechos da delação da Odebrecht. Em abril, a Corte excluiu da competência do juiz da Lava Jato dados que embasavam os processos contra Lula nos casos do sítio de Atibaia e do terreno do Instituto Lula. A decisão desta terça é o segundo importante revés da Lava Jato no cerco a Lula.

Os termos de delação retirados de Moro narram o desenvolvimento das relações institucionais entre o Grupo Odebrecht e o governo federal, a criação do Setor de Operações Estruturadas (conhecido como o departamento de propinas da empreiteira), a criação da empresa Braskem, os pagamentos que teriam sido feitos ao governo e o funcionamento das planilhas “Italiano” e “Pós-italiano”, em suposta referência aos períodos em que Antônio Palocci e Guido Mantega ocuparam cargos no governo, descreveu o ministro Edson Fachin, quando enviou os trechos de delação para Curitiba, em abril do ano passado.

“Emílio Odebrecht, de seu turno, descreve o relacionamento mantido com o ex-presidente Lula desde sua campanha, os motivos pelos quais passou a contribuir para ela e seu objetivo de mudar o rumo do setor petroquímico nacional. Pedro Novis, por sua vez, relata, em termos gerais, o relacionamento do grupo empresarial com os ex-presidentes Lula e Dilma”, apontou Fachin.

No recurso de Lula para tirar de Moro os trechos de delação, os advogados do ex-presidente também afirmam que, entre outros tópicos, as delações mencionam o Instituto Lula. “Também informa a presença de valor supostamente destinado à aquisição de terreno para o Instituto Lula, bem como doação oficial feita à mesma instituição. Ambos teriam ocorrido, em tese, no estado de São Paulo”, afirma a defesa.

“Eu digo que, a despeito da narrativa dos colaboradores fazerem referência a fatos em São Paulo e em Brasília, penso pelas mesmas razões, que o caso seria de fixação da competência na seção judiciária do DF”, disse o ministro Dias Toffoli.

A posição de Toffoli foi acompanhada pelos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. O ministro Celso de Mello não compareceu à sessão.

Os três ministros também resolveram encaminhar para a Justiça Eleitoral do DF trechos de delação que envolvem Mantega. Nestes trechos de delação, segunda a defesa do ex-ministro, o delator Fernando Migliaccio refere a Mantega como a pessoa que gerenciaria recursos que Marcelo Odebrecht teria destinado à campanha da ex-presidente Dilma de 2014, os quais seriam controlados por meio de uma planilha intitulada “Planilha Pós Itália”.

“Segundo Fernando, parte desses recursos – uma quantia de R$ 16 milhões – teria sido por ele entregue a Mônica Moura, em pagamento aos serviços de marketing prestados à campanha presidencial do PT de 2014, sendo, então, descontado do valor total que Marcelo teria negociado com o ex-Ministro Gudi Mantega. Tudo registrado e controlado por meio da aludida Planilha Pós Itália”, afirmam os advogados.

Derrotas

O resultado favorável a Lula e a Guido Mantega marca mais uma derrota para o relator da Operação Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin. Levantamento feito pelo Estado nos principais julgamentos da operação apontam que Fachin já foi derrotado pelo menos 20 vezes.

Contrariando Fachin, a Segunda Turma decidiu absolver a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) do crime de caixa 2, mandou soltar o ex-ministro José Dirceu e, em abril deste ano, retirou de Moro outros trechos de delação da Odebrecht que citam Lula – naquele caso, as menções tratam do sítio de Atibaia (SP) e do Instituto Lula.