Correio do Povo | Notícias | Em visita à Expointer, Bolsonaro enaltece o agronegócio: "é o Brasil que dá certo"

Porto Alegre

17ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de Setembro de 2018

  • 29/08/2018
  • 17:30
  • Atualização: 19:57

Em visita à Expointer, Bolsonaro enaltece o agronegócio: "é o Brasil que dá certo"

Passagem do candidato à Presidência pelo PSL causou alvoroço no Parque Assis Brasil

Bolsonaro participou de encontro na casa da Farsul | Foto: Guilherme Almeida

Bolsonaro participou de encontro na casa da Farsul | Foto: Guilherme Almeida

  • Comentários
  • Luiz Sérgio Dibe

O candidato à Presidência da República pelo PSL Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira, após encontro na Casa da Farsul na Expointer, em Esteio, que o agronegócio é a parte do Brasil que dá certo.

A passagem do candidato pelo parque de exposições chamou a atenção de parte do público que visitava o local. A chegada no ambiente da reunião com ruralistas teve momentos de confusão entre apoiadores e seguranças da campanha.

Depois da conversa com produtores, Bolsonaro atendeu à imprensa em um palanque improvisado no hall de entrada da entidade. "Precisamos avançar em infraestrutura. Sair do modal rodoviário como única opção. Trazer mais segurança jurídica para impedir a invasão de terra. Ter controle sobre novas demarcações de reserva indígena e terra de quilombola", afirmou.

Ao término da coletiva, em que também defendeu o direito a posse de arma e imunidade processual a quem "abater um criminoso na condição de legítima defesa, Bolsonaro subiu em outro pequeno palanque para falar com seus apoiadores. "Não sou salvador da pátria. Me chamo Jair Messias Bolsonaro e sou igual a todos vocês. Juntos vamos acabar com essa palhaçada de dois partidos no Brasil. Fernando Henrique Cardoso, que prometeu se unir ao Lula no segundo turno pra me derrotar, vá continuar sua marcha pela liberação da maconha. O Brasil quer um presidente honesto, com Deus no coração e patriota", discursou.

Questionado sobre a presença de policiais federais em sua comitiva e de militares da Polícia do Exército no parque, o candidato disse que a escolta da PF integra seus direitos de parlamentar e sustentou que os militares estarem no parque seria uma casualidade.