Correio do Povo | Notícias | Ex-presidente do Parlamento Europeu visita Lula na prisão

Porto Alegre

28ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de Novembro de 2018

  • 31/08/2018
  • 07:23
  • Atualização: 07:34

Ex-presidente do Parlamento Europeu visita Lula na prisão

Martin Schulz disse que a ONU está fazendo perguntas sobre a prisão do petista

Ex-presidente do Parlamento Europeu visita Lula na prisão | Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil / CP

Ex-presidente do Parlamento Europeu visita Lula na prisão | Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • AFP

O ex-presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz visitou nesta quinta-feira Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba por corrupção, e manifestou suas dúvidas sobre o processo que levou o líder brasileiro à cadeia. "Não posso julgar o que os promotores e juízes estão fazendo neste país (...), mas muita gente no mundo, e especialmente na ONU, está fazendo perguntas que devem ser respondidas pelo governo brasileiro", declarou o ex-líder do Partido Social Democrata da Alemanha (SPD) na entrada da sede da Polícia Federal em Curitiba.

• Haddad afirma que PT irá "às últimas consequências" para ter Lula candidato

• Ministro do TSE nega pedido para excluir Lula de pesquisas

Velho amigo de Lula, Schulz não duvidou em manifestar seu apoio ao ex-presidente e candidato à presidência pelo Partido dos Trabalhadores, que deve ter seu nome impugnado pela justiça eleitoral por estar condenado em segunda instância, como prevê a Lei da Ficha Limpa. "Nenhum poder no mundo pode evitar que diga a um homem que conheço há muitos anos e no qual confio: acredito em você'. Foi isto que disse a ele" - revelou Schulz aos jornalistas após visitar Lula, detido desde 7 de abril passado.

• Advogados de Lula culpam Tribunal da Lava Jato por instabilidade

O ex-presidente, de 72 anos, cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. "Estou aqui para apoiar o presidente, para transmitir minha solidariedade, a dos social democratas alemães e a dos socialistas europeus", disse Schulz, que presidiu o Parlamento Europeu entre 2012 e 2017.