Correio do Povo | Notícias | PGR pede esclarecimentos a Bolsonaro sobre frase "fuzilar petralhas"

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 20 de Novembro de 2018

  • 05/09/2018
  • 18:14
  • Atualização: 18:24

PGR pede esclarecimentos a Bolsonaro sobre frase "fuzilar petralhas"

Coligação Povo Feliz de Novo ajuizaram representação criminal contra o candidato por declarações

Dodge descartou que Bolsonaro tenha cometido crime de injúria eleitoral | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP Memória

Dodge descartou que Bolsonaro tenha cometido crime de injúria eleitoral | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta quarta-feira, em ofício enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), que o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro apresente esclarecimentos sobre um discurso de campanha feito na semana passada, no Acre, no qual usou as expressões "vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre" e "vão ter que comer capim".

O pronunciamento da PGR decorre da representação criminal ajuizada na última segunda-feira pela coligação Povo Feliz de Novo, formada por PT, PCdoB e PROS, contra o candidato do PSL pelos crimes de injúria, ameaça e incitação ao crime. Na mesma manifestação, motivada por um pedido do ministro Ricardo Lewandowski, relator da representação do PT, Raquel Dodge descartou que Bolsonaro tenha cometido o crime de injúria eleitoral, mas diz que continua a analisar a existência de ameaça e incitação ao crime.

Injúria eleitoral

"No trecho de discurso acima transcrito, não há referência a pessoas. Personificar 'petralhada', expressão usada pelo noticiado, configura elastecimento da responsabilidade penal por analogia ou por extensão, o que é absolutamente incompatível com o direito penal", afirmou a procuradora.

No entanto, Raquel Dodge pediu que o candidato se manifeste sobre as acusações feitas pelo PT de que também teria cometido os crimes de ameaça e incitação ao crime. "Considero tratar-se de hipótese de rejeição liminar da representação sob o ângulo da injúria. Em relação aos demais crimes noticiados na representação, para compreender o contexto e a extensão das declarações, solicito abertura de prazo para que o parlamentar representado esclareça os fatos", argumentou.