Correio do Povo | Notícias | Operação da PF combate desvio de recursos públicos em universidade no Paraná

Porto Alegre

13ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, domingo, 27 de Maio de 2018

  • 13/03/2018
  • 08:31
  • Atualização: 08:39

Operação da PF combate desvio de recursos públicos em universidade no Paraná

Investigações apontaram irregularidades graves em contratos entre faculdade e empresas prestadoras de serviços

Investigações apontaram irregularidades graves em contratos entre faculdade e empresas prestadoras de serviços | Foto: Comunicação Social da Polícia Federal / Londrina / PR / CP

Investigações apontaram irregularidades graves em contratos entre faculdade e empresas prestadoras de serviços | Foto: Comunicação Social da Polícia Federal / Londrina / PR / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira a Operação 14 Bis para investigar a atuação de gestores e empresas que se uniram para fraudar licitações e contratos na Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Cornélio Procópio. Segundo a PF, há indícios de desvios de cerca de R$ 5,7 milhões.

"As investigações apontaram a ocorrência de irregularidades graves em contratos celebrados entre a universidade e empresas que prestaram serviços de manutenção predial, manutenção de ar-condicionado, manutenção de veículos, fornecimento de materiais de construção e serviços de reprografia", diz a nota da Polícia Federal.

Estão sendo cumpridos 20 mandados de prisão temporária e 26 de busca e apreensão, além de sequestro e indisponibilidade de bens em endereços nas cidades de Uraí, Cornélio Procópio, Nova América da Colina e Maringá, todas no Paraná.

Ao tomar conhecimento da denúncia, a universidade imediatamente adotou medidas no âmbito administrativo, entre elas, a realização de auditorias, além da demissão, mediante processos administrativos disciplinares, de servidores envolvidos nas fraudes", destaca a PF.

Os presos estão sendo levados para a Delegacia de Polícia Federal em Londrina onde permanecerão à disposição da Justiça. O nome da operação, 14 Bis, é uma alusão à empresa criada pelos investigados para facilitar os desvios de recursos.