Correio do Povo | Notícias | Operação seguirá apurando supostos desvios na Saúde de Canoas nas próximas semanas

Porto Alegre

20ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de Dezembro de 2018

  • 06/12/2018
  • 09:55
  • Atualização: 15:43

Operação seguirá apurando supostos desvios na Saúde de Canoas nas próximas semanas

Promotor João Beltrame relatou que há pontos a serem esclarecidos sobre relação de empresa com prefeitura

Líder do esquema foi preso em um hotel de Porto Alegre | Foto: Marjuliê Martini e Roberta Salinet / MPRS / Divulgação / CP

Líder do esquema foi preso em um hotel de Porto Alegre | Foto: Marjuliê Martini e Roberta Salinet / MPRS / Divulgação / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

O promotor João Beltrame, um dos responsáveis pela operação do Ministério Público, que nesta quinta-feira desarticulou um grupo que teria desviado milhões da Saúde de Canoas, confirmou que três pessoas já foram presas. Elas seriam representantes do Grupo de Apoio À Medicina Preventiva e à Saúde Pública (Gamp), um dos alvos da investigação. Em entrevista à Rádio Guaíba, Beltrame projetou a continuidade das apurações nas próximas semanas.

 

"Com esta operação, nós buscamos eslcarecer a relação do Gamp com a prefeitura de Canoas. Temos até o momento três prisões e a apreensão de mais de R$ 40 milhões. Esta é uma fase inicial da investigação, que teve um primeiro eixo de trabalho, mas com certeza teremos outras porque percebemos uma série de pontos que precisam ser esclarecidos", explicou Beltrame.  

• Prefeitura de Canoas relata que fez denúncias ao MP sobre empresa de saúde

Ao ser questionado sobre a identidade dos suspeitos presos, Beltrame limitou-se a dizer que o trio pertenceria à Gamp. "São diretores da Gamp. Nós ainda não podemos revelar os nomes porque ainda buscamos um alvo e isso poderia prejudicar o nosso trabalho", acrescentou. 

Na avaliação de Beltrame, a operação desvenda "uma relação duvidosa" que se estabeleceu na área da Saúde de Canoas. "A gente tem consciência de que há mais coisa. Nós estamos com uma investigação muito grande, que terá desdobramentos. Há fiscalização mal feita, que não seguia as normas adequadas para destinação de valores e prestação de contas. Há também casos pontuais de contratação de parentes e amigos pela Gamp", salientou.