Porto Alegre

15ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Julho de 2017

  • 19/04/2016
  • 14:13
  • Atualização: 14:31

Dilma considera "lamentável" declaração de Bolsonaro sobre torturador

Deputado fez uma homenagem ao militar Carlos Alberto Brilhante Ustra durante votação do impeachment

"Lamentável", diz Dilma sobre declaração de Bolsonaro durante votação do impeachment | Foto: Roberto Stuckert Filho / PR / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira durante entrevista a correspondentes estrangeiros ser "lamentável" que o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tenha feito uma homenagem ao torturador da ditadura militar Carlos Alberto Brilhante Ustra, morto em 2015.

• Leia mais sobre o impeachment

Dilma foi questionada pelos jornalistas sobre a declaração do deputado, feita no último domingo, ao dar seu voto favorável ao processo de impeachment, na Câmara dos Deputados. "De fato, fui presa nos anos 70, de fato, eu conheci bem esse senhor ao qual Bolsonaro se refere. Foi um dos maiores torturadores do Brasil. Sobre ele, recai não só acusação de tortura, mas também acusação de morte. É só ler os papéis da Comissão da Verdade e mesmo outros relatos", afirmou Dilma, em entrevista a correspondentes estrangeiros, no Palácio do Planalto.

A presidente disse considerar "gravíssima a aventura golpista" em curso no país, porque teria levado a uma situação de polarização que não se vivia no Brasil, "que é uma situação de raiva, ódio e perseguição". "Eu lastimo que esse momento no Brasil tenha dado abertura para a intolerância, para o ódio, para esse tipo de fala. Num processo como o nosso, em que a democracia resulta de uma grande luta de resistência, que abrangeu os mais variados setores, é terrível você ver num julgamento alguém votando em homenagem ao maior torturador que esse país conheceu. É lamentável", reiterou.

Os deputados aprovaram, no domingo, por 367 votos a favor e 137 contra, o prosseguimento do processo de impeachment contra a presidente Dilma. Em uma entrevista concedida à imprensa, na noite de segunda-feira, Dilma disse se sentir indignada e injustiçada com a decisão da Câmara dos Deputados.

Se a admissibilidade do afastamento for aprovada também pelos senadores, a presidenta será afastada do cargo por até 180 dias, enquanto o Senado analisa o processo em si, e define se Dilma terá o mandato cassado.