Correio do Povo | Notícias | Marchezan anuncia projeto para reduzir salários de CCs

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

  • 11/01/2017
  • 08:56
  • Atualização: 09:44

Marchezan anuncia projeto para reduzir salários de CCs

Prefeito reafirmou que estão suspensos recursos públicos para eventos em Porto Alegre

Marchezan anuncia projeto para reduzir salários de CCs | Foto: Eduardo Beleske / Flickr / CP

Marchezan anuncia projeto para reduzir salários de CCs | Foto: Eduardo Beleske / Flickr / CP

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

O prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, reafirmou nesta quarta-feira que suspendeu a liberação de recursos para todos os eventos culturais da Capital por conta da crise nos cofres públicos. Ao definir a situação como "catastrófica", Marchezan anunciou que, para amenizar as dificuldades financeiras do município, vai enviar à Câmara de Vereadores um projeto de lei para reduzir e equalizar os salários de cargos em comissão (CCs). 

"Nós temos eventos que são muito importantes para a cidade. Mas não é nem uma opção para mim: entre pagar remédio e merendas e pagar eventos. São dezenas de milhões que não têm cobertura de receita. Estamos cortando Cargos em Comissão. Posso dizer, em primeira mão, que vamos encaminhar um projeto que vai reduzir os valores dos cargos em comissão de todas as empresas, para que a gente tenha equanimidade nos salários. Vamos equalizar isso com a realidade financeira de Porto Alegre", informou em entrevista à Rádio Guaíba nesta quarta-feira. 

Ao justificar o projeto, que ainda não tem previsão de data para ser enviado, Marchezan afirmou que há um descontrole no pagamento das funções gratificadas (FGs) e citou a existência de salários mais altos do que os vencimentos do próprio prefeito. "Há uma centena de funções que geram um descontrole absoluto. Não há igualdade na remuneração de servidores. A sensação interna é de injustiça, porque há pessoas que vão para determinado local e ganham determinado salário porque estão naquele lugar", explicou. "Atualmente, há gerentes na Companhia de Processamento de Dados (Procempa) e pessoas em CCs que ganham mais do que o prefeito. A situação é a seguinte: todos têm de perder. Todos nós temos de dividir esta crise", completou.  

Marchezan reiterou que a sua gestão não está promovendo cortes. "O volume despesas deixadas é irreversível. Elas são muito maiores que as receitas. Vamos tentar pagar aquelas despesas que não podem deixar de ser pagas", acrescentou. 

Atrasos de salários

Durante a entrevista, Marchezan afirmou que Porto Alegre tem uma dívida que gira em torno de R$ 1 bilhão, o que dificulta o pagamento de salários e de fornecedores. "A prefeitura foi deixada em uma situação catastrófica, que vai ser apresentada em breve. Temos mais despesas do que receita e algumas não há como cancelar. Será um ano em que vamos atrasar salários de servidores e atrasar pagamentos de fornecedores. Não tem como administrar um volume tão grande de dívidas e passar os recursos que temos para atividades que não são essenciais", relatou. 

Para realizar os diversos eventos culturais em Porto Alegre, entre eles o carnaval, Marchezan salientou que a prefeitura montou uma força-tarefa para angariar recursos junto à iniciativa privada. Nessa terça-feira, em reunião com as entidades carnavalescas, o prefeito explicou a crise financeira da cidade e disse que as dificuldades atingirão todas as áreas do município.

Marchezan ressaltou que o compromisso da Prefeitura é procurar todos os meios possíveis para que o carnaval não seja prejudicado. A ideia é buscar parceiros da iniciativa privada para tentar viabilizar os desfiles e transformar a festa num evento autossustentável e livre para buscar os meios necessários para ser independente dos recursos públicos.