Correio do Povo | Notícias | Sereno Chaise morre aos 89 anos em Porto Alegre

Porto Alegre

24ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, terça-feira, 18 de Dezembro de 2018

  • 01/06/2017
  • 12:00
  • Atualização: 13:14

Sereno Chaise morre aos 89 anos em Porto Alegre

Ex-prefeito de Porto Alegre estava internado no hospital Mãe de Deus

Sereno Chaise morre aos 89 anos em Porto Alegre | Foto: Paulo Nunes / CP Memória

Sereno Chaise morre aos 89 anos em Porto Alegre | Foto: Paulo Nunes / CP Memória

  • Comentários
  • Correio do Povo

O ex-prefeito de Porto Alegre Sereno Chaise morreu aos 89 anos na manhã desta quinta-feira em Porto Alegre. Segundo informações do gabinete da liderança do PDT, partido do qual fez parte, ele estava internado há quase 30 dias no hospital Mãe de Deus. De acordo com a Assembleia Legislativa, o político morreu em decorrência de falência múltipla dos órgãos e o velório será realizado no cemitério Jardim da Paz. Ainda não há a informação de quando será realizado o sepultamento. Chaise deixou dois filhos e a esposa Rosane Zanella.

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, decretou três dias de luto oficial por conta do falecimento de Chaise. A Assembleia Legislativa cancelou a sessão que estava marcada para esta tarde.

História

Gaúcho de Soledade, Sereno se mudou para Porto Alegre aos 18 anos e ingressou na Ala Moça do antigo PTB, de Leonel Brizola, em 1946. Em 1951, é eleito vereador pela Capital, ficando à frente do parlamento municipal até 1955. Com Brizola eleito prefeito de Porto Alegre, em 1951, Sereno assume uma das pastas do Executivo. Depois, é eleito deputado estadual em 1958, e Brizola, governador do Estado.

Em 1963, é eleito prefeito da Capital. Porém, após a ditadura civil militar brasileira ser instaurada, Sereno tem seu mandato cassado poucos meses depois da sua posse. O trabalhista perde seus direitos políticos até 1979, os recuperando depois com a anistia. Após o fim do bipartidarismo, ele auxilia na construção do PDT. Depois, acaba migrando para o PT quando Olívio Dutra estava na gestão do Palácio Piratini, juntamente com a ex-presidente Dilma Rousseff.


TAGS » Política, Morte, PDT