Correio do Povo | Notícias | Maia defende discussão sobre fake news, mas com cuidado para evitar censura

Porto Alegre

26ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Outubro de 2018

  • 13/06/2018
  • 13:20
  • Atualização: 13:25

Maia defende discussão sobre fake news, mas com cuidado para evitar censura

Segundo presidente da Câmara dos Deputados, debate é importante para eleições

Segundo presidente da Câmara dos Deputados, debate é importante para eleições | Foto: Luis Macedo / Divulgação Câmara dos Deputados / CP

Segundo presidente da Câmara dos Deputados, debate é importante para eleições | Foto: Luis Macedo / Divulgação Câmara dos Deputados / CP

  • Comentários
  • AE

Um dos pré-candidatos ao Palácio do Planalto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu, nesta quarta-feira, a importância do combate às chamadas "fake news" (notícias falsas) no Brasil. Ele ponderou, contudo, que o debate sobre a regulamentação das redes sociais deve ser feito com "todo cuidado" para que não avance para nenhum tipo de censura. "A discussão da fake news é uma discussão muito importante, com todo cuidado para que uma regulamentação sobre esse assunto não avance em nenhum tipo de censura", afirmou o parlamentar fluminense, durante café da manhã com executivos e integrantes da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

Para Maia, esse debate é importante principalmente para as eleições deste ano. "Isso é muito importante, principalmente para um processo político. Com um processo eleitoral, faltando três dias, se entra uma informação falsa e ela consegue multiplicar, pode derrotar um candidato, pode dar vitória a outro", disse o presidente da Câmara. Para ele, não será "saudável" a concorrência se houver setores de comunicação regulamentados e outros não. "Não podemos ter sistemas tratando do mesmo assunto com regras distintas", disse.

Maia afirmou que o debate sobre a regulamentação das redes sociais é importante porque essas plataformas abertas viraram estrutura de informação. Segundo ele, é preciso garantir que essas estruturas tenham a mesma responsabilidade que o "mercado regular" no Brasil. "Tem que pensar como vai regulamentar isso, sem interferir na liberdade do trabalho de cada um de vocês", afirmou. Para o parlamentar fluminense, é preciso "aprofundar e criar, de fato, uma responsabilização, porque a informação caminha de qualquer jeito, ninguém é responsável por nada". "Acho até que nas redes sociais é mais fácil você encontrar a pessoa e depois procurar um reparo ao dano, mas, por exemplo, no Whatsapp, é impossível. Não vejo por onde", declarou.