Correio do Povo | Notícias | Aplicativos avaliam biosseguridade no setor agrícola gaúcho

Porto Alegre

25ºC

Ver a previsão completa

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de Julho de 2018

  • 16/12/2017
  • 09:53
  • Atualização: 09:57

Aplicativos avaliam biosseguridade no setor agrícola gaúcho

Banco de dados abastecido pelo celular permitirá observação do nível de seguridade dos criatórios do Estado

Banco de dados abastecido pelo celular permitirá observação do nível de seguridade dos criatórios do Estado | Foto: Fundesa / Reprodução / CP

Banco de dados abastecido pelo celular permitirá observação do nível de seguridade dos criatórios do Estado | Foto: Fundesa / Reprodução / CP

  • Comentários
  • Danton Júnior

A biosseguridade no setor avícola ganhou um importante aliado, nos últimos dias, com a criação de um aplicativo denominado GeoAves, fruto de um convênio do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa) com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). O aplicativo desenvolvido pela universidade, disponível para a plataforma Android, conta com um cadastro das granjas produtoras, que será constantemente atualizado por técnicos das empresas integradoras.

Para cada estabelecimento, haverá 150 perguntas a serem preenchidas periodicamente. Entre as informações a serem preenchidas estão questões como a densidade avícola, acessos à propriedade, proximidade com outros estabelecimentos, sistemas de produção, capacidade instalada, barreiras naturais, alimentação dos animais e destino de aves mortas.

As informações serão armazenadas em um banco de dados, a cargo da UFSM. Com base nesses dados, Ministério da Agricultura, Seapi e Fundesa poderão monitorar em tempo real o nível de biosseguridade da avicultura gaúcha. O professor Luiz Fernando Sangoi, que comanda a Coordenadoria de Educação Básica, Técnica e Tecnológica (CEBTT) da UFSM, explica que, de outra forma, as empresas do setor teriam de investir pesado em equipamentos para coleta de dados. O telefone celular, segundo ele, facilita a operação, já que não será necessário contar com internet na propriedade rural para que os técnicos façam a atualização das informações.

“A função do aplicativo simplesmente é coletar as informações no campo”, resume. Iniciativa semelhante está em andamento junto ao setor da suinocultura, por meio do aplicativo GeoSuínos, que conta com pelo menos dez empresas participantes.