Conceição Evaristo: “Os negros não estão presentes nos espaços representativos desta nação”

Gustavo Miranda / O Globo / CP Memória

No próximo dia 30 de agosto, a Academia Brasileira de Letras escolherá mais um “imortal”. Fundada em 1897, tendo entre os seus criadores o negro Machado de Assis, a ABL só teve mais um negro depois disso, Domingos Proença Filho, membro atual da casa. A mineira Conceição Evaristo poderá ser a primeira escritora negra a vestir o fardão. Será que os homens brancos do colégio eleitoral farão, enfim, história?

 

Caderno de Sábado – A Academia Brasileira de Letras é racista?
Conceição Evaristo – É difícil até fazer uma afirmação dessas. Dá para compor. Temos um negro e cinco mulheres. Os negros, não só na Academia, não estão presentes nos espaços representativos desta nação. Encontram-se poucos reitores negros, poucos negros no balé clássico, nos balés municipais das cidades, nas grandes empresas, em cargos de gerência, no alto escalão do Exército, da Marinha, da Aviação.

 
CS – A ABL tem entre seus fundadores um negro, Machado de Assis. Mais de cem anos depois, só tem mais um negro. Não é muito pouco, ou a expressão justamente de uma exclusão consciente?
Conceição Evaristo? – Essa é uma expressão da sociedade brasileira como um todo. A ausência de negros não se dá, insisto, só no espaço da Academia. Ele se dá nos espaços representativos da nação brasileira. É um modo de representação racial da sociedade brasileira.

 
CS – Ou seja, a sociedade brasileira é que é racista?
Conceição Evaristo – A nossa é uma sociedade racista. Nós não temos, como muitos querem crer, uma democracia racial.

 

 

CS – Racista e também machista. Só em 1976, ou seja, ontem, a ABL mudou seu estatuto para permitir a entrada de mulheres.
Conceição Evaristo – As estruturas da sociedade brasileira são formadas de modo a excluir os negros, os índios, as pessoas com identidades sexuais não normativas. É uma sociedade excludente. Reflete isso em todos os seus organismos.

 
CS – Apesar deste quadro historicamente racista e machista, dá para ter esperança de ser a primeira negra na Academia Brasileira de Letras?
Conceição Evaristo – Estou concorrendo por que, segundo o estatuto da ABL, todo cidadão ou cidadã brasileira que tiver um livro publicado pode concorrer. Como escritora tenho seis livros publicados, um deles com um prêmio Jabuti. O governo de Minas Gerais, ano passado, me conferiu um prêmio pelo conjunto da obra. “Ponciá Vicêncio” está traduzido em inglês, francês, espanhol e no prelo para uma edição italiana. “Becos da Memória” já foi traduzido para o francês. “Poemas da Recordação e Outros Movimentos” está sendo traduzido pela mesma editora que publica Clarice Lispector em Paris. A minha presença como escritora já marcou a própria literatura brasileira e tem um público estrangeiro. Como escritora brasileira, estou apta a concorrer. É o meu texto literário que me permite apresentar a minha candidatura. Esse é o motivo principal. Estou concorrendo como qualquer outro. A particularidade é que sou uma escritora negra.

 

 

CS – O movimento negro tem atuado positivamente…

Conceição Evaristo – Não só o movimento negro tem atuado. Não é só ele que deseja a minha presença na Academia. Intelectuais, professores, pesquisadores, jornalistas, escritores, políticos, há uma movimentação grande que não é só do movimento negro. Há mais de 20 mil assinaturas num site, que brotou espontaneamente, e não só negros e movimentos sociais. Estive na Bahia, na Feira de Mucugê, onde fui a escritora homenageada, em presença das secretárias estaduais de Políticas Públicas e da Cultura. Órgãos oficiais que conhecem a minha obra também estão apoiando a minha candidatura. Mas nós somos a força do desejo. Não sei se temos a força da realização.

 

CS – Essa pressão de intelectuais, brancos e negros, é muito importante. Os acadêmicos, que votarão, estão aborrecidos com isso?
Conceição Evaristo – Não considero como pressão, mas como apoio e desejo. Interpretar como pressão é equivocado. Quem decide são os acadêmicos. Talvez seja o maior apoio na história das candidaturas. Não digo pressão. Eles são livres para escolher quem quiserem.

 

CS – O fato de os eleitores serem, em maioria, homens brancos pode ter alguma influência?
Conceição Evaristo – Prefiro não afirmar. Quero trabalhar com a crença, com a possibilidade. Se fosse pensar na impossibilidade, nem me candidataria. A Academia está num momento de fazer história.

 

CS – Estamos vivendo um momento político importante. Num dos debates entre candidatos à Presidência, Jair Bolsonaro declarou que não escravizou ninguém e que não há dívida com os escravizados e seus descendentes. Qual a sua análise desse tipo de declaração?
Conceição Evaristo – Eu acho que talvez ele tenha uma compreensão da história do Brasil muito aquém, inclusive, de pessoas que nunca frequentaram a escola. Os chamados iletrados talvez tenham mais informações do que esse senhor. Ou então ele estava fazendo uma piada, pois é impossível, nos dias de hoje, uma afirmação dessas. Deve ter sido uma piada de mau gosto.

 

 

CS – Os seus livros, que são extremamente importantes, premiados e originais, não estão disponíveis em livrarias como as de Porto Alegre. Não são publicados pelas grandes editoras brasileiras. Por que isso?
Conceição Evaristo – Toda publicação de autoria negra, de mulheres, de tramas homoafetivas, indígena, tudo isso se dá mais por editoras pequenas. No momento, publico por uma editora de médio porte, a Palas. Há agora uma editora maior interessada. É difícil a distribuição dos livros pelas editoras pequenas. O mais interessante é que essas editoras de médio e pequeno porte estão competindo com o mercado e, apesar de ser difícil, conseguiram publicizar a minha obra.

 

CS – As grandes editoras têm preconceitos?
Conceição Evaristo – Quando a gente pensa em literatura, não pode pensar só no objeto livro. Precisamos pensar no entorno: tem o crítico literário, a política de distribuição, as premiações, a mídia. Essas instituições estão na mão de quem tem o capital. É difícil furar esse cerco. Há bons livros que não são divulgados. O meu caminho vem sendo construído desde 1990 quando comecei a publicar em Cadernos Negros. Quem me fez e legitimou num primeiro momento o meu texto literário foi o movimento social negro. Agora, com tenho certa visibilidade, a mídia tem sido favorável e trabalhado a minha imagem. Comecei na base mesmo. A exposição (“Ocupação”) que o Itaú Cultural fez com minha obra em 2017 e o prêmio Jabuti fizeram a mídia começar a ter curiosidade a meu respeito.

 

CS – É um percurso singular para uma escritora oriunda de uma família pobre de Belo Horizonte. Como foi a luta para romper tantos bloqueios?
Conceição Evaristo – Tenho 71 anos. Se eu tivesse nascido numa família com mais condições financeiras, ou se eu fosse uma escritora branca, não teria sido reconhecida há mais tempo? É uma carreira que se torna excepcional. E aí mora o perigo. A excepcionalidade retira o sujeito da sua condição de origem, da sua coletividade. Machado de Assis é exemplo disso. Não podiam reconhecer que aquele homem era descendente de africanos, era negro. Foi preciso que os críticos literários branqueassem Machado de Assis e colassem nele um estilo branco. Lima Barreto e Cruz e Sousa não puderam ser branqueados. A trajetória foi outra e outra a recepção da crítica. A crítica considerou Cruz e Sousa como o maior poeta simbolista, mas ele construía seus textos a partir da metáfora do branco. Por isso, renegavam toda a sua origem. Sem ler os textos nos quais ele se colocava dolorosamente como negro, caso de “Emparedado”. A excepcionalidade pode retirar as marcas do sujeito. Não existe só uma escritora negra. As mulheres negras estão aí produzindo não só na literatura, mas na educação, na religião, no cinema. A primeira escritora abolicionista, Maria Firmina dos Reis, não foi registrada pela história da literatura. Que regras são essas?

 

Por Juremir Machado

Redação :