Porto Alegre, 21 de Outubro de 2014

Toda generalização é burra?

Postado por Juremir em 2 de junho de 2013 - Uncategorized

Todo dia alguém generaliza dizendo assim: toda generalização é burra.

Logicamente essa afirmação deve incluir a si mesma.

Logo, tentando combater a generalização e a burrice com outra generalização, a pessoa que ataca com essa espada pretensamente afiada incorre em burrice.

A ideia de que toda generalização é burra é cientificamente absurda.

A ciência só existe com base em generalizações.

O princípio da ciência é a generalização.

De observações sistemáticas devem resultar generalizações.

Em condições normais de temperatura e pressão tal fenômeno deve se repetir.

É o princípio da recorrência.

Burras são as generalizações impertinentes.

Nem todas as generalizações são impertinentes.

Logo nem todas as generalizações são burras.

Nelson Rodrigues cunhou uma frase que tem unanimidade: toda unanimidade é burra. Logo a aceitação unânime dessa máxima é uma burrice.

Sabe-se, por experiência, que há unanimidades inteligentes.

A frase “toda generalização é burra” é uma burrice que só pode fazer sentido se for escrita assim: “toda generalização improcedente é burra”.

Ou seja, toda generalização burra é burra.

As demais precisam passar pelo teste da pertinência.

Dizer que toda generalização é burra é um atalho argumentativo que pode tornar o caminho de uma discussão mais longo.

Uma burrice.

Carinhosa e logicamente falando.


3 Responses

  1. Felipe Benedito disse:

    Juremir!

    Muito bem escrito!
    Pegou o espirito da coisa.
    Não penso que estava tentando me esinar algo.
    Seria burrice!
    Fico feliz em saber que um simples comentario(com a exata intenção de te fazer pensar que o comentario sobre as coincidencias tem suas exceções)resultou em um post inteiro direcionado a ele.
    Generalizar é sim burrice.
    A frase “toda generalização é burra” também.
    Pensar que todos que são a favor do corte das arvores, são os mesmos que não apoiam as manifestações( seja la contra o que for) mal organizadas e que colocam em conflito policia e população, é uma burrice maior ainda.
    Cada caso tem sua particularidade e deve ser analisado.
    Ser a favor de todo e qualquer movimento pelo simples fato de ir contra o governo é a maior burrice de todas.
    Gosto do seu lado isento de clubismo e partidarismo.
    Mas algumas vezes encontro muitos traços disto em seus posts.

    Eu sou a favor de manifestações ordeiras e com objetivo claro.
    Sou a favor do corte das arvores.
    Sou contra o aumento da passagem.
    Fui contra a Ford.

    leio seu blog todos os dias.
    Não concordo com tudo.
    Não discordo de tudo.
    Apenas analiso.
    Algumas vezes me acho no direito de comentar.
    Continuarei lendo.
    Agradeço por não me julgar, pois não faço parte dessas “coincidencias”.
    Se é que elas existem é claro.

    Felipe Benedito

  2. João Inácio disse:

    Verdade, tenho que admitir: nem toda a generalização é burra, principalmente quando se fala em método científico. MAS…

    Mas quando se fala de acusar este ou aquele indivíduo (ou grupo de indivíduos) por esta ou aquela atitude (tomada isoladamente) de ser A ou B, ou “progressista” ou “retrógrado” estamos fugindo da sistematização impostas pela Física, Matemática e ciências não-exatas, como a Psicologia, a Economia, etc, etc. Quando as generalizações (e acusações) entram no campo ideológico (ou pretensamente ideológico), quando transformamos vários indivíduos, cada um com sua história pessoal, seu passado, suas crenças, suas certezas, suas imensas dúvidas, etc e o colocamos numa vala comum e jogamos em cima um rótulo (“preconceituoso” , “mau”, “bom”, “correto”, “errado”, etc, etc) estamos, CERTAMENTE, noutro terreno, que foge à sistematização da ciência.

    ASSIM, quando eu generalizo e digo que uma pessoa é isto e mais aquilo, por algo que ela pensa ou por UMA coisa que ela diz e a colocamos num mesmo grupo de outras pessoas que nada têm a ver com ela, por exemplo, a dos “más pessoas”, estamos incorrendo numa generalização que talvez nada tenha de burra, mas tenha intenções escusas. E em ideologia e discussão política, infelizmente, isto é um tanto comum, usual mesmo. Do tipo: “se vc não concorda comigo vc está do lado do mal”, “se vc concorda comigo, está do lado certo”. Hmmmmm. Então, a generalização deixa de ser burra e passa a ter uma intenção (ou intenções) que podem não ser exatamente lá muito honestas. Vá se saber….

    E pode ser mimimi, tb.

    Mas se eu acabo dizendo que alguém escreve com intenções escusas algo e acusa uma pessoa apenas baseada em generalizações, eu tb posso estar generalizando, afinal, talvez tenha sido ignorância ou preguiça minha de analisar a situação mais a fundo.

    Pode ser que a referida pessoa esteja apenas fazendo mimimi “inocente” e eu achando que ela está sendo intelectualmente desonesta.

    Então, ao contrário da ciência, em discussões políticas é melhor que eu não generalize mesmo.

    Hmmmmmm.

  3. maira cantero disse:

    Eu já entendo que é um atalho para terminar com a argumentação.forma que muita gente entende ser ” elegante” de terminar com um mimimi para o qual findram os argumentos ou bateu a preguiça.