Os mundos demais de Moema Vilela

Lançamento de “GUERNICA”, da autora sul-mato-grossense, radicada em Porto Alegre, será nesta sexta, 4, na Aldeia, em Porto Alegre

Por Luiz Gonzaga Lopes
Autora do livro de contos “Ter Saudade Era Bom” (Dublinense, 2014), a jornalista e doutora em Letras pela PUCRS, entre outras tantas titulações, Moema Vilela e a Livraria Baleia convidam para o lançamento de “GUERNICA” (Udumbara, 2017), o seu terceiro livro, nesta sexta-feira, 4 de agosto, às 19h, na Aldeia (R. Santana, 252) com a participação das escritoras Julia Dantas e Natalia Borges Polesso.

Na trama de “GUERNICA”, o leitor acompanha a história de Maria e de Luiza, mãe e filha, em seus impulsos de vida e de morte. Perdas e violências perpassam a trajetória das personagens, na forma da guerra, da doença, separações, preconceitos, dificuldades financeiras, falta de vontade de viver. Seguindo as diferentes soluções que as personagens encontram para reencontrar a motivação e lidar com a brutalidade do mundo, a narrativa se passa em um tempo para além do tempo histórico, em que estão presentes o WhatsApp e o surgimento da máquina de escrever, a impressora de roupas e o centenário de Cindy Sherman. Numa primeira leitura do livro e tentando fazer analogia com a pintura a óleo monocromática de Pablo Picasso (3,50m x 7,76m), exposta no Reina Sofia, em Madri, podemos dizer que os bombardeios interiores das protagonistas, mãe e filha, é que movem a trama com narrativa fragmentada e que pode ser montada pelo leitor anacronicamente ou linearmente. Assim como Picasso desejou representar a brutalidade do bombardeio à pequena cidade espanhola de Guernica pela Luftware (força aérea alemã), com Hitler e Franco totalmente mancomunados pela barbárie, Moema encontra flores e metáforas dentro da brutalidade do suicídio, da guerra, da doença, do desamor. Ao me deparar com Guernica, de Picasso, pela primeira vez, fiquei estarrecido e senti as dores do mundo. Quando li “GUERNICA”, de Moema, a vez primeira, senti que pode haver brisa e flores em mundos atormentados. Pode haver esperança numa foto de Kevin Carter, na qual uma ave de rapina espreita um bebê à beira da morte por inanição. Os mundos de Moema são mundos demais. Precisamos decifrá-los com calma e leitura arguta.

Aprofundando a conversa que o livro faz com a fragmentação, fractalidade e a inspiração na representação cubista, “GUERNICA” ganha também um tumblr dentro do site da autora, como parte de um projeto de escrita expandida, em que a narrativa do livro impresso se amplia no meio digital. Em https://guernicaexpandida.tumblr.com/, o leitor pode encontrar a continuação de algumas cenas, representações de pinturas e fotografias que se escondem na narrativa, ouvir as músicas que os personagens ouviam em determinado trecho ou conhecer uma receita de comida mencionada no livro. A ideia é ter uma plataforma que amplie e recrie o sentido do livro impresso, com todos os elementos que a mídia contemporânea nos oferece, convidando a uma maior interação dos leitores com o livro.

“Guernica” foi uma parte da pesquisa da autora sobre narrativas breves no doutorado em Letras – Escrita Criativa da PUCRS. A obra também é a primeira incursão da autora na edição de livros, como um exercício de autonomia e também de experimentação do processo todo de criação de um livro. Mais informações em www.moemavilela.com

SOBRE A AUTORA

MOEMA VILELA nasceu em Campo Grande (MS), mora em Porto Alegre (RS) há sete anos. Escritora e jornalista, é doutora em Letras pela PUCRS. Graduada em Jornalismo (UFMS), mestre em Estudos de Linguagens – Linguística e Semiótica (UFMS) e em Letras – Escrita Criativa (PUCRS), ministrou cursos e oficinas de literatura e escrita criativa em Campo Grande, Porto Alegre, Caxias do Sul, Pelotas e Curitiba. Autora de “Ter saudade era bom” (Dublinense, 2014), finalista do Açorianos de Literatura de 2015, e “Quis dizer” (Edições Udumbara, 2017). Publicou contos, poemas e ensaios em revistas literárias brasileiras e em antologias como em Cobain (2016), Antologia Off-Flip 2016, “A criação da memória” (Edipucrs, 2014), “De tudo fica um pouco” (Dublinense, 2011), entre outras.

SERVIÇO:
Lançamento: “Guernica” de Moema Vilela
Quando: 4 de agosto, às 19h
Onde: Aldeia (R. Santana, 252)

PRODUÇÃO: Livraria Baleia + Alice Castiel Ruas + Moema Vilela
APOIO: FestiPoa Literária

Entrada franca!

FICHA TÉCNICA
“GUERNICA”, de Moema Vilela
Edições Udumbara
48 páginas
Preço do livro: R$25

redacao :