Porto Alegre através de suas construções

Mostrar para as pessoas detalhes que normalmente elas não percebem, esse é o objetivo do “Guia de Arquitetura de Porto Alegre”. O projeto foi idealizado pelos arquitetos, Rodrigo Poltosi, formado pela Uniritter, e Vlademir Roman, formado pela Ufrgs. Nesta sexta-feira, 17, a Feira do Livro de Porto Alegre teve em sua programação uma conversa dos autores, que explicaram desde o início do processo até o lançamento. O projeto começou em 2013, quando Rodrigo notou que cidades como Buenos Aires e Rio de Janeiro, tinham um Guia de Arquitetura, e Porto Alegre não. Encontrar um parceiro para a produção não foi difícil, já que Rodrigo havia sido estagiário de Vlademir em um escritório.“Vendo essa possibilidade, esse vácuo na produção a gente acabou desenvolvendo essa publicação que reúne 100 das principais obras arquitetônicas da cidade”, reforçou Rodrigo.
Durante a palestra foram mostrados os diversos estilos que a cidade contempla, desde seu início até os dias atuais. Ao longo do livro, o leitor se encontra tanto com a história da cidade quanto da arquitetura. No início ela é mais simples, colonial, com traços da arquitetura portuguesa. Depois um pouco mais complexa com a arquitetura eclética. Os prédios “limpos”, mais despojados e com grandes janelas de vidro são da arquitetura moderna e por fim a contemporânea. Para reunir conteúdo e informações, os arquitetos leram mais de 400 artigos, livros e teses.
O guia foi escrito de forma trilíngue: português, inglês e espanhol. O formato é pequeno para que seja acessível e possa ser levado em passeios ou visitas. O conteúdo é focado não só na arquitetura mas também no urbanismo da cidade. Entre os critérios para selecionar as construções, estavam entre eles ser visitável e souvenir. Os autores queriam que as pessoas não só conhecessem através do livro, mas também tivessem a experiência de explorá-lo. Foi organizado de forma cronológica, mostrando do século XVIII ao século XXI.
Os sócios acreditam que, para a valorização desse conhecimento, é necessário que haja debate na sociedade, que as pessoas tenham curiosidade de conhecer a história da cidade. Não só admirando as belas construções da Europa mas também as do Brasil. Foi o que fez a médica e professora universitária Miriam Oliveira. Ao andar pela cidade, notou detalhes interessantes na arquitetura e então começou a fotografar. A curiosidade foi tanta que ela passou a fazer imagens dos frontões das casas, construídas principalmente nas décadas de 1920 e 1930. Miriam acha importante que as pessoas olhem para cima e para os lados e enxerguem as histórias que Porto Alegre possui. O guia acrescentou conteúdo nessas necessidades que a médica sentia sobre essas construções. O livro foi lançado na semana de Porto Alegre deste ano, pela Escritos Editora. O preço médio é de R$ 45,00.
Texto e foto: Paula Fernandes/Uniritter
Marcos Santuário :