Correio do Povo

29/08/2018 11:53 - Atualizado em 29/08/2018 12:05

Arte & Agenda > Variedades

Morre a poetisa cubana Carilda Oliver

Escritora desafiou a ditadura de Fulgencio Batista em seus trabalhos

Morre a poetisa cubana Carilda Oliver- Crédito: Reprodução / Agência Cubana de Notícias / CP
Morre a poetisa cubana Carilda Oliver
Crédito: Reprodução / Agência Cubana de Notícias / CP

A poetisa Carilda Oliver, símbolo do verso erótico em Cuba, faleceu nesta quarta-feira aos 96 anos, deixando uma obra de mais de 40 livros publicados em vários idiomas, informou o jornal Juventud Rebelde. "A Prêmio Nacional de Literatura foi uma das mais sobressalentes poetisas de Cuba e Hispanoamérica, e os cubanos e em particular os matanceros agradecem essa vida consagrada por inteiro à poesia", expressou o jornal sem informar a causa da morte. Nascida em Matanzas, 100 km a leste de Havana, onde viveu toda sua vida, Oliver começou a poesia em 1943 com seu primeiro livro "Preludio Lírico". Sete anos depois, em 1950, ganhou o Prêmio Nacional de Poesia, concedido pelo Ministério da Educação por seu livro de poesia mais conhecido "Al sur de mi garganta" (1949). Desafiando a repressão da ditadura de Fulgenio Batista (1952-1958), escreveu seu "Canto a Fidel", um poema dedicado ao líder Fidel Castro, que, em seguida, comandou uma guerrilha na Sierra Maestra contra Batista. Oliver se formou na licenciatura em Direito, e cultivou uma poesia erótica alegre, que lhe valeu grande popularidade. Segundo a Agência Cubana, seu corpo será cremado e suas cinzas expostas em sua casa em Matanzas.

VARIEDADES > correio@correiodopovo.com.br