Correio do Povo

31/08/2018 08:41 - Atualizado em 31/08/2018 08:55

Notícias > Internacional

Exército nega que atende apenas a venezuelanos em Roraima

Segundo moradores, ambulância utilizada pela Operação Acolhida não estaria atendendo brasileiros

Exército nega que atende apenas a venezuelanos em Roraima- Crédito: Márcio Neves / R7 / CP
Exército nega que atende apenas a venezuelanos em Roraima
Crédito: Márcio Neves / R7 / CP

O Exército brasileiro negou nesta quinta-feira, em resposta ao R7, que o serviço de ambulância na cidade de Pacaraima, na fronteira do Brasil com a Venezuela, sirva apenas para atendimento dos refugiados que chegam ao país com problemas de saúde. A ambulância utilizada pela Operação Acolhida na fronteira, sob responsabilidade do Exército, virou centro de uma polêmica na cidade de 12 mil habitantes após a agressão contra um comerciante local há duas semanas, cometida supostamente por quatro venezuelanos, e que levou a uma onda de ataques a imigrantes que viviam nas ruas, culminando com a expulsão de 1,2 mil deles do Brasil. • Venezuela pode suspender repasse de energia elétrica a Roraima Após ser ferido gravemente na cabeça, o comerciante Raimundo Nonato de Oliveira foi transferido para o Hospital Estadual Délio Tupinambá, onde chegou com intensa perda de sangue e necessidade urgente de transfusão. A ambulância do local, no entanto, tinha saído com outro paciente para Boa Vista, vítima de infarto. Então foi solicitado o apoio de uma ambulância ao Batalhão de Fronteira do Exército Brasileiro, justamente a utilizada pela operação Acolhida, mas testemunhas que presenciaram o atendimento afirmaram que o empréstimo da ambulância foi negado sob o argumento de que ela estaria "com o retrovisor quebrado e não poderia sair do quartel nesta situação". Moradores da cidade e mesmo funcionários do hospital entrevistados pela reportagem do R7 na semana passada chegaram a comentar que a ambulância não deixou o quartel para atender a vítima porque o veículo "só atende a venezuelanos". • Colômbia, Equador e Peru ratificam compromisso com direitos humanos de migrantes venezuelanos Após uma semana de insistentes pedidos da reportagem, o Exército respondeu oficialmente nesta quinta-feira, por meio de nota, que "em momento algum houve recusa no atendimento de remoções durante toda a Operação Acolhida. Utiliza suas ambulâncias para a remoção de pacientes, independentemente da nacionalidade, inclusive em demandas solicitadas pelo HDOT e Unidade Básica de Saúde de Pacaraima, quando essas não possuem meios de remoção". • RS deve receber 646 venezuelanos a partir de setembro Ainda segundo o exército, "a Base de Pacaraima recebeu um pedido do Hospital Délio de Oliveira Tupinambá de apoio de ambulância para o transporte de um morador. Antes da confirmação de que o pedido seria atendido e que o paciente seria transportado com a ambulância da Força-Tarefa, soube-se que este já havia sido embarcado em um veículo e estava a caminho de Boa Vista, o que impediu a execução do apoio por parte da Força Tarefa". Até maio passado, não havia nenhuma ambulância na cidade fronteiriça. O hospital estadual foi alvo de uma ação do Ministério Público de Roraima, revelado em primeira mão esta semana pelo R7, em que cobra melhorias na unidade, desestruturada por falta de investimentos públicos. • Venezuela minimiza crise migratória que atinge América Latina A Justiça em primeiro grau atendeu parcialmente o pedido do MP e cobrou duas ambulâncias para o local, o que teria garantido o transporte de seu Raimundo naquele dia, mas o Estado cedeu apenas um veículo, que foi cedido pelo Corpo de Bombeiros. Na noite do dia 17, quando Oliveira foi atacado em sua casa, a ambulância de Pacaraima já havia deixado a cidade rumo à capital Boa Vista, 200 km distante, socorrendo uma vítima de infarto — que acabaria morrendo. O hospital estadual na cidade fronteiriça carece de investimentos há anos e é incapaz de atender a ocorrência de média e alta complexidade. Oliveira acabou sendo transportado em seu carro particular. Na metade do caminho ele cruzou com a ambulância, que já vinha retornando a Pacaraima e acabou concluindo o transporte até a capital. Ele foi atendido e recebeu alta no dia seguinte

INTERNACIONAL > correio@correiodopovo.com.br