Correio do Povo

06/09/2018 10:24 - Atualizado em 06/09/2018 10:38

Notícias > Economia

Petrobras poderá manter preço da gasolina estável por até 15 dias

Ferramenta é chamada de "mecanismo de hedge" e será opcional

Ao final do período, o reajuste aplicado será sempre igual ao resultado das variações diárias do barril de petróleo e do câmbio- Crédito: Guilherme Testa / CP memória
Ao final do período, o reajuste aplicado será sempre igual ao resultado das variações diárias do barril de petróleo e do câmbio
Crédito: Guilherme Testa / CP memória

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira um mecanismo financeiro que permitirá manter o preço da gasolina estável por até 15 dias. Chamado de mecanismo de hedge, ele será opcional e visa reduzir a volatilidade (variação) do preço do combustível sem afetar o resultado financeiro da estatal. A nova ferramenta foi anunciada pelo diretor financeiro da Petrobras, Rafael Grisolia, e pelo diretor de refino e gás natural, Jorge Celestino, que concederam uma entrevista para explicar a decisão. O mecanismo é resultado de uma evolução na precificação de combustíveis no Brasil e não altera a política de preços da Petrobras, disseram. "Em momentos de maior volatilidade, a gente tem a possibilidade de usar esses instrumentos de modo que o resultado financeiro da companhia não se altere", afirmou Grisolia. • Petrobras anuncia aumento de 1,68% nas refinarias de todo o país Preços podem ser contidos Em vez de reajustar os preços diariamente, a Petrobras poderá segurá-los por um período de, no máximo, 15 dias, realizando operações financeiras no exterior. Ao final do período, o reajuste aplicado será sempre igual ao resultado das variações diárias do barril de petróleo e do câmbio, de modo que a Petrobras mantenha a paridade com os preços no mercado internacional. Segundo Rafael Grisolia, realizar essa operação por um período maior do que 15 dias impactaria os resultados da Petrobras. A decisão já foi anunciada para o mercado e está em vigor, segundo os diretores, com o instrumento à disposição da Petrobras a partir de hoje.

ECONOMIA > correio@correiodopovo.com.br