Correio do Povo

12/09/2018 12:25 - Atualizado em 12/09/2018 13:05

Notícias > Polícia

Polícia pedirá prisão preventiva de homem que manteve mulher em cárcere privado por cinco anos

Suspeito ficou menos de 12 horas preso e foi liberado após prestar depoimento

Homem foi solto em menos de 12 horas- Crédito: Polícia Civil / Divulgação / CP
Homem foi solto em menos de 12 horas
Crédito: Polícia Civil / Divulgação / CP

A Polícia Civil vai pedir a prisão preventiva do homem que manteve a mulher em cárcere privado durante cinco anos em Eldorado do Sul. O inquérito já foi aberto com base na Lei Maria da Penha. O homem, de 28 anos, havia sido preso no final da tarde de terça-feira em um posto de saúde pelos policiais civis mas acabou solto mediante decisão judicial durante a noite, deixando assim a Cadeia Pública de Porto Alegre (antigo Presídio Central). “O flagrante que lavrei foi por cárcere privado, lesão corporal e ameaça. Há indícios também de abuso sexual”, observou o delegado Rodrigo Fuchshuber Caldas. Os agentes decidiram detê-lo novamente na manhã desta quarta-feira após o suspeito retornar ao posto de saúde, aos gritos, em busca de sua mulher que havia buscado refúgio na assistência social. O homem ameaçou a companheira de morte caso voltasse para a casa. Após ser ouvido, ele foi liberado. • Motorista de aplicativo suspeito de estuprar adolescente durante viagem é preso A companheira era vigiada rigorosamente dentro da residência. “Ciúme, ciúme, ciúme doentio dele”, avaliou, referindo-se à atitude do homem. “Quando ela acordava no meio da noite para ir na cozinha, ele desconfiava que ela estava o traindo e ia atrás dela. Ela não podia ir no banheiro sozinha”, citou como exemplo. O acusado possui antecedentes criminais por tráfico de drogas, roubo, furto, receptação, adulteração de sinal de veículo automotor, embriaguez ao volante, lesão corporal e porte ilegal de arma. De acordo com o delegado, sob a justificativa de vacinar os filhos em um posto de saúde, a mulher conseguiu sair de casa mas acompanhada do companheiro. No serviço de assistência social, ela ficou sozinha e conseguiu pedir socorro, sendo acionados imediatamente os policiais civis. “Ele ficou na frente do posto de saúde berrando, esperneando e perguntando ‘cadê minha esposa’. Ele não podia sair do lado dela”, relatou o titular da DP de Eldorado do Sul. A mulher pediu abrigo e não retornou mais com os filhos para a residência.

POLÍCIA > correio@correiodopovo.com.br