CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SÁBADO, 28 DE FEVEREIRO DE 1998
Implosão do Palace será ao meio-dia
Escritório da Sersan no Rio foi fechado ontem. A empresa enfrenta 900 reclamações trabalhistas

O juiz Jesse Torres, da 2ª Vara da Fazenda Pública, autorizou ontem à noite a implosão do prédio Palace II, na Barra da Tijuca. Durante a audiência, que durou oito horas e 20 minutos, uma coluna com 22 apartamentos do prédio desabou. Depois do desabamento, a estrutura cedeu 1,5 centímetro. A implosão do que restou do prédio está marcada para o meio-dia de hoje, afirmou a secretária municipal de Obras, Ângela Fonti. A partir das 10h, os técnicos devem interditar totalmente a área ao redor do prédio num raio de 200 metros.

A Polícia interditou ontem o escritório onde funcionava a sede da construtora Sersan no Rio de Janeiro. Irritado com a demora dos três engenheiros que assinam o projeto do Condomínio Palace para se apresentarem na delegacia, o delegado Carlos Alberto de Oliveira, que preside o inquérito na 16ª DP (Barra da Tijuca) mandou fechar a sala 306 da rua Barata Ribeiro, 543, em Copacabana. Os engenheiros intimados foram José Roberto Schendes, Francisco Oliveira Filho e Sérgio Murilo Domingues. Nenhum foi encontrado no escritório.

Apesar não estar entre as maiores empresas de construção do Rio, a Sersan tem 300 reclamações trabalhistas em andamento, só perdendo para a Encol. Em todo o país, chegam a 900. E o corretor de seguros Paschoal de Marco tenta desde outubro de 95 receber das Sersan uma indenização de R$ 1.912,00 pela colisão de um caminhão da empresa em seu Chevette em São Paulo. A Sersan não compareceu às seis audiências.

A vida de 1.512 famílias virou de cabeça para baixo: moradores não só do Palace II, que desabou, mas de seis blocos de condomínios vizinhos que cercam os escombros do prédio tiveram que sair de casa praticamente só com a roupa do corpo e sem perspectiva de retornar. As dezenas de crianças que moram no condomínio estão traumatizadas com o desabamento, tendo crises de asma, insônia e até medo de voltar a morar em edifícios.
 
 


Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil