CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, DOMINGO, 26 DE FEVEREIRO DE 2006

Disputa será grande neste domingo
Quatro escolas do Grupo B caem este ano para o Acesso, restando três que subirão para o Grupo Especial em 2007




15DISPUT.jpg Como os riscos são maiores este ano, o empenho terá que ser dobrado


O domingo de Carnaval será marcado pela disputa mais competitiva deste ano no Complexo Cultural do Porto Seco. Anteriormente, apenas uma escola caía para o Grupo de Acesso. Nesta edição, devido às novas regras, serão quatro as rebaixadas. As três primeiras colocadas carimbam o passaporte para o Especial em 2007, quando serão extintas as categorias intermediárias A e B.

O desfile começa com a representante de São Leopoldo. A Imperatriz Leopoldense falará sobre a irresponsabilidade no trânsito, retratando em quatro alegorias as tragédias e as campanhas de conscientização visando à preservação da vida. A Unidos da Vila Mapa, vinda do Grupo de Acesso, cobrirá a avenida de dourado, com a história do garimpo e das pedras preciosas. Na abordagem do enredo, em dez alas e quatro alegorias, o destaque ficará por conta dos portugueses e espanhóis que chegaram em Minas Gerais, em busca de riquezas. o escultor Aleijadinho também será lembrado pela escola da Lomba do Pinheiro.

A Acadêmicos de Gravataí é a terceira a desfilar, avisando que 'tem hora marcada para o sucesso'. O relógio e o tempo serão as estrelas da noite que marcará também o 45º aniversário da escola, comemorado neste domingo. Em 14 alas e três alegorias, a escola mostrará os momentos do dia e da noite, além de variados modelos de marcadores de tempo, como a ampulheta. Na seqüência, a Embaixadores do Ritmo contará a história de um sabor bem brasileiro: o café. O tema será interpretado desde o plantio até o consumo, sem esquecer das sementes vindas da África e das cafeterias. Haverá distribuição de cafezinho na avenida.

Quarta colocada da Categoria B em 2005, a Realeza promete cantar e encantar, retratando em 14 alas a evolução do artesanato no país. Barro, palha, vime, vidro, latão e cordas foram usados na confecção das alegorias. Quem estiver no Porto Seco poderá conhecer um pouquinho da cultura das regiões brasileiras. Rebaixada da Categoria A em 2005, a Copacabana é a penúltima a desfilar levando o faz-de-conta à avenida. Aposta no maravilhoso mundo do Mágico de Oz para acertar o passo rumo ao Especial. Não faltarão anões e bruxas na interpretação da representante do bairro Bom Jesus.

A Filhos da Candinha, vice-campeã em 2005, encerra a apresentação apostando nas cores do arco-íris na defesa de que 'um novo mundo é possível'. A escola fará um apelo para que a sociedade compreenda e respeite os homossexuais. O enredo será interpretado em quatro alegorias e em 14 alas, algumas delas compostas por gays, lésbicas e simpatizantes. Para realizar o espetáculo desta noite, as escolas do Intermediário B investiram mais de R$ 370 mil.




Correio do Povo
Porto Alegre - RS - Brasil